Tamanho do texto

Fato histórico não tem implicações imediatas para jogadores que hoje atuam na competição, mas poderá dificultar a contratação de novos atletas por clubes ingleses a longo prazo

Leicester é o atual campeão do Campeonato Inglês
MATT DUNHAM/ASSOCIATED PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Leicester é o atual campeão do Campeonato Inglês

A decisão da Grã-Bretanha de deixar a União Europeia (UE) , definida oficialmente nesta sexta-feira e que ficou conhecida como "Brexit", não irá abalar o prestígio do Campeonato Inglês, ressaltou a Premier League, organizadora do torneio doméstico mais badalado da atualidade no cenário do futebol mundial.

Leia +  Como a saída da União Europeia afeta os brasileiros no Reino Unido

A saída da Grã-Bretanha da UE não tem implicações imediatas para jogadores que hoje atuam na competição, mas a longo prazo poderá dificultar a contratação de novos atletas por parte dos clubes ingleses. Entretanto, um porta-voz da Premier League enfatizou que ainda é muito cedo para fazer previsões sobre os efeitos que o Brexit terá para o torneio.

"O Campeonato Inglês é uma competição esportiva de enorme sucesso, que tem força doméstica e um apelo global", afirmou o porta-voz, para depois destacar que "isso continuará assim, independentemente do resultado do referendo", definido na madrugada desta sexta-feira, determinando a saída do Reino Unido da União Europeia.

Leia +  Resultado britânico gera onda de pedidos por plebiscitos em outros países da UE

A organização do Campeonato Inglês, entretanto, admite que terá de "continuar trabalhando com o governo" para manter o sucesso da competição, que conta com jogadores dos mais variados lugares do mundo e muitas vezes vê times entrarem em campo com um número muito pequeno de atletas ingleses.

A saída do Reino Unido da União Europeia deve complicar um pouco mais a chegada de jogadores aos clubes ingleses, pois as restrições para obtenção de visto de trabalho e outras exigências deverão se tornar ainda mais severas do que já são. Entre as já praticadas atualmente está a de que atletas que são de fora da UE precisarem ter atuado em pelo menos 30% dos jogos de seu time anterior no período de dois anos que antecede a sua contratação por um clube inglês.

REPERCUSSÃO NEGATIVA

Um dos maiores atacantes da história da seleção inglesa, Gary Lineker, hoje apresentador de um programa de TV da rede britânica BBC, lamentou nesta sexta a decisão do Reino Unido de abandonar a União Europeia.

"Me sinto envergonhado de minha geração. Temos decepcionado a nossos filhos e aos filhos dos seus filhos", escreveu o ex-jogador em sua conta no Twitter, que tem cerca de cinco milhões de seguidores.

Leia +  Plebiscito revela "Reino Desunido" e fosso entre gerações

Phil Neville, outro famoso ex-jogador inglês e que até a temporada passada fazia parte da comissão técnica do Valencia, também usou as redes sociais para lamentar a decisão da Grã-Bretanha. "Precisamos de outra votação. Não conheço ninguém que tenha votado para sair (da União Europeia)", escreveu.

O goleiro Petr Cech, do Arsenal e da seleção checa, foi além ao comentar o resultado do referendo. "Parece que a maior decisão da história desse país foi baseada em uma campanha falsa e mentiras ", reclamou o jogador, que há 12 anos vive em Londres.

Resultado

A apuração dos votos do plebiscito no Reino Unido revelou vantagem do Brexit de 1,269 milhão de votos. De acordo com dados finais da Comissão Eleitoral, a campanha pela saída do grupo europeu venceu com 17,410 milhões de votos, ou 51,9% do eleitorado. Já o grupo que defendia a permanência do país na União Europeia teve 16,141 milhões de votos, ou apoio de 48,1% do eleitorado.