Tamanho do texto

Advogado alertou sobre as dificuldades que funcionários de clubes e do meio esportivo poderão encontrar, além dos investimentos e da livre circulação de capitais entre os clubes

Saída do Reino Unido da União Europeia pode afetar até futebol e a Fórmula 1
NEIL HALL/Reuters/Newscom - 19.6.16
Saída do Reino Unido da União Europeia pode afetar até futebol e a Fórmula 1

Além das mudanças sociais, econômicas e políticas, a saída do Reino Unido da União Europeia  (UE) poderá impor alterações também no meio esportivo, principalmente no futebol e na Fórmula 1.

Leia +  Como a saída da União Europeia afeta os brasileiros no Reino Unido

"Atualmente, um italiano pode jogar em qualquer equipe europeia sem nenhum problema, mas esse direito na Inglaterra não existirá mais", disse o advogado Pierfilippo Capello, filho do treinador Fabio Capello e especialista em direito esportivo. De acordo com ele, o primeiro ponto a ser analisado é o artigo da legislação da Fifa sobre a transferência de atletas de 16 a 18 anos de idade sem contratos profissionais, largamente usada por clubes ingleses para adquirir jogadores no exterior.

Leia +  Reino Unido decide pela saída da União Europeia: o que acontece agora?

Pierfilippo Capello também alertou para as dificuldades que funcionários de clubes e do meio esportivo poderão encontrar com as mudanças na legislação do Reino Unido na UE, além dos investimentos e da livre circulação de capitais entre os clubes.

"Hoje em dia, grandes capitais chegam à Inglaterra provenientes de fora da Europa. Refiro-me aos proprietários de grandes clubes. Surgirão problemas quando se discutirá o capital para a compra e venda de jogadores", comentou o especialista. "Mas acredito que o sistema se adaptará facilmente a esta nova situação", acrescentou.

O GP da Grã Bretanha é realizado no circuito de Silverstone
DIVULGAÇÃO/FÓRMULA 1
O GP da Grã Bretanha é realizado no circuito de Silverstone

Já o chefão da Fórmula 1, o britânico Bernie Ecclestone, que defendia a saída do país da UE, afirmou que a categoria de automobilismo perderá no próximo ano "uma ou duas corridas na Europa".

"Não posso dizer quais provas sairão do calendário, mas as novas incorporações não serão europeias", disse o empresário, que no início da semana voltou a ameaçar que a temporada de 2017 passará a ter 18 corridas, e não mais 21.