Tamanho do texto

"Já joguei quatro vezes contra ele, quando estava no Corinthians e no Flamengo. É inteligente, não pode deixar pensar muito", disse o jogador do Grêmio

Volante Walace fala durante coletiva de imprensa no W Hotel, Boston
Lucas Figueiredo / MoWA Press
Volante Walace fala durante coletiva de imprensa no W Hotel, Boston

Garçom na adolescência, o volante Wallace garante que está preparado para servir à seleção brasileira, se Dunga optar por ele na partida de domingo contra o Peru, pela Copa América Centenário. O jogador do Grêmio está cotado para substituir Casemiro, que está suspenso, e, se for confirmado, promete encarar a oportunidade com tranquilidade.

"O friozinho na barriga já passou", disse nesta sexta-feira, na entrevista coletiva, em Boston. Ele se referia à superação pela ansiedade na estreia na seleção, que ocorreu quarta-feira, na goleada de 7 a 1 sobre o Haiti. Wallace entrou no segundo tempo daquela partida.

Antes de chegar ao Grêmio, Wallace jogava no Vitória. Nos tempos de Salvador, se dividia entre o futebol e outras atividades. Ajudava a mãe num restaurante, servindo os clientes, e também em algumas situações o tio, na distribuição de abadás para o carnaval baiano.

Ele disse esperar manter o nível de Casemiro, "que estava jogando muito bem", e, como é um jogador com mais características de marcação, contribuir para dar segurança aos avanços dos laterais e liberdade para os jogadores de meio-campo. "Um volante marcador dá segurança para os laterais subirem e dá liberdade para os meias. Eles podem se soltar um pouco mais. O volante está ali para isso."

O jogador do Grêmio entende que, da equipe peruana, é preciso atenção especial com o centroavante Guerrero. "Já joguei quatro vezes contra ele, quando estava no Corinthians e no Flamengo. É inteligente, não pode deixar pensar muito", afirmou.