Tamanho do texto

"Sabia que vocês (jornalistas) fariam alguma piada sobre isso", disse, sorrindo, o volante Elias

Elias em ação pelo Brasil contra o Haiti
Lucas Figueiredo / MoWA Press
Elias em ação pelo Brasil contra o Haiti


O técnico Dunga não quis papo e cortou rapidamente o assunto . E os jogadores da seleção brasileira garantem que não lembraram dos 7 a 1 que o time sofreu da Alemanha na Copa do Mundo de 2014 quando o mesmo placar foi atingido na noite desta quarta-feira contra o Haiti, pela Copa América Centenário. Com exceção de Elias, que disse ter lembrado e sabia que a imprensa iria tocar no assunto, os outros garantiram que a goleada humilhante sofrida pela equipe de Luiz Felipe Scolari não lhes passou pela cabeça.

E MAIS

Após 7 a 1, Dunga nega comparações e elogia atuação de Phillipe Coutinho

Sem dificuldade, Brasil faz 7 a 1 no Haiti e alivia pressão na Copa América

Presente na Copa de 2014, o lateral-direito Daniel Alves não gostou muito de falar no assunto. "Não tem nenhuma comparação. Acredito que nem os alemães acreditaram naquele resultado. Mas infelizmente isso é do futebol. Paga-se muito caro se você não está preparado para enfrentar os adversários", disse o jogador, capitão do time contra os haitianos e que ficou no banco naquela partida contra os alemães.

Willian, que também disputou o último Mundial, garantiu que não lembrou do vexame do Mineirão. "Ele não lembrei de nada", disse. Ao ser informado que Elias disse ter se recordado do desastre, rebateu. "Se ele lembrou, é problema dele, pela minha cabeça não passou."

Nem pela cabeça de Filipe Luis, segundo o próprio lateral-esquerdo. Mas ele admitiu que o assunto foi conversado depois do jogo. "Não significa nada, porém. A maioria desse grupo não estava naquele jogo. O mais importante é a gente esquecer e pensar só no presente", entende.

VEJA TAMBÉM

Gabigol rejeita simbolismo em 7 a 1 e pede paciência antes de ser titular

Elias já tinha saído do jogo com o Haiti e estava no banco quando Philippe Coutinho marcou o sétimo gol. Imediatamente ele lembrou da partida contra os alemães. "Sabia que vocês (jornalistas) fariam alguma piada sobre isso", disse, sorrindo. "A gente lembra, não tem como, marcou. Eu não fazia parte, mas me sinto dentro desse 7 a 1 e acho que vocês jornalistas também se sentem assim porque vivem nosso mundo."

O volante corintiano afirmou saber que a goleada de quarta-feira não vai ter muito valor para os críticos. "Sei que vão falar que é contra o Haiti. Foi uma vitória contra adversário um pouco mais fraco, fizemos uma boa partida."