Tamanho do texto

"Somos um grande concorrente não só para o Brasil como para todos os adversários", afirmou o francês Patrice Neveu

Patrice Neveu durante partida contra o Peru, pela primeira rodada da Copa América Centenário
USA Today Sports
Patrice Neveu durante partida contra o Peru, pela primeira rodada da Copa América Centenário

O técnico do Haiti, Patrice Neveu, é daqueles tipos de acham que até para sonhar é preciso ter limites. Por isso, o francês descarta vencer o Brasil na noite desta quarta-feira em Orlando. Mas espera ao menos que sua seleção faça uma boa apresentação na partida que começará às 20h30 (de Brasília), no Camping Field, como passou a ser chamado o então Citrus Bowl.

Leia

Dunga amarga série de problemas: 'Está dando trabalho fazer nosso trabalho'

Contrariado, Dunga se conforma com veto a treino no estádio do jogo

"Pode ser pretensioso dizer que podemos ganhar, mas temos chances de conseguir um bom resultado", assegurou o francês. Ele definiu como um "grande desafio" enfrentar uma seleção talentosa - na definição de Neveu - como a brasileira. Mas disse ter uma estratégia e prometeu até apresentar uma "surpresa" para os comandados por Dunga.

"Somos um grande concorrente não só para o Brasil como para todos os adversários", considera Neveu. De fato, os números dão motivos para que tenha algum otimismo. Pelo menos de não ser goleado.

Na estreia, o Haiti perdeu apenas por 1 a 0 para o Peru. E, desde o ano passado, o time apenas uma vez saiu de campo tendo tomado três. Foi numa derrota (3 a 1) para o adversário mais difícil que enfrentou, a Colômbia. No mais, pegou rivais fracos como Honduras, Panamá e Trinidad & Tobago.