Tamanho do texto

Lista de objetos mais desejados inclui a bola do gol 1.000, anel de campeão da NASL pelo Cosmos e o troféu de 'Atleta do Século', oferecido pelo jornal francês L'Equipe

Quem quiser ver as medalhas que Pelé recebeu ao ganhar as Copas do Mundo de 1958, 1962 e 1970 a bola do milésimo gol ou o certificado dado pelo Guinness Book e que comprova que ele é o maior artilheiro de todos os tempos precisa correr. Abre nesta quarta-feira e fecha na segunda-feira, em Londres, a última exibição pública de cerca de 2 mil relíquias do Rei do Futebol.

Pelé em sua despedida da seleção brasileira, em jogo que o Brasil venceu a Áustria por 1 x 0, no Morumbi, em 1971
DOMICIO PINHEIRO/ Estadão Conteúdo
Pelé em sua despedida da seleção brasileira, em jogo que o Brasil venceu a Áustria por 1 x 0, no Morumbi, em 1971

Todos esses itens fazem parte de um gigantesco leilão que será realizado pela Julien’s Auctions, uma das mais famosas casas de leilão do mundo, também em Londres. A coleção é anunciada como a mais importante de esportes já levada a leilão.

Leia mais:  São Paulo é o quarto clube brasileiro a chegar a 100 mil sócios-torcedores

Como os itens podem ser arrematados por colecionadores particulares, existe a possibilidade de eles nunca mais serem expostos. A intenção com a exposição na galeria Mall Galleries, contudo, é atrair interessados no leilão que começa na terça-feira que vem e deve durar até quinta.

O item com estimativa de ser o mais caro é a réplica do Troféu Jules Rimet, que o Brasil recebeu com o tricampeonato, em 1970, e que foi roubado e derretido. A previsão é que o item vai custar entre US$ 400 mil e US$ 600 mil. As três medalhas, juntas devem sair por um valor entre US$ 100 mil e US$ 200 mil.

A lista de objetos mais desejados inclui a bola do gol 1.000 (até US$ 60 mil), o anel de campeão da NASL pelo Cosmos (US$ 40 mil) e o troféu de 'Atleta do Século', oferecido pelo jornal francês L'Equipe (US$ 30 mil).