Tamanho do texto

Bicampeão paulista pela equipe de Parque São Jorge, ex-ponta direita Júlio César se dedicou a música após perder a audição

Ex-jogador do Corinthians se dedicou ao piano
Divulgação/Rede Record
Ex-jogador do Corinthians se dedicou ao piano

Integrante de um dos mais emblemáticos e lembrados times brasileiros de todos os tempos, a Democracia Corintiana, Julio César poderia viver das glórias do seu passado, que incluem dois títulos paulistas pelo alvinegro. Porém, depois de perder a audição, por conta de uma otosclerose decorrente dos tratamentos de calcificação feitos enquanto atuava, o ex-jogador decidiu se reinventar e encontrou um novo talento que o levou para longe dos gramados: A música, mais especificamente, o piano.

Com muita dedicação e horas de estudo diário, Júlio César Prado Pereira de Souza tornaram o ex-ponta direita um grande pianista e também compositor:

Leia também:

Cristiano Ronaldo treina normalmente e prova estar pronto para final de sábado

+ Sem Ricardo Oliveira, Dunga indica que deve apostar em Jonas na seleção

"Ia dormir quando o Sol já estava raiando, acordava uma, duas horas da tarde, ia pro piano para realizar aquela música que tinha criado na minha imaginação. E isso foram dois anos initerruptamente", contou ao programa Esporte Fantástico da Rede Record, "Eu percebi que eu tinha decorada toda esta escala musical. Eu pensava: ré, sol, então eu compunha sentado na minha cama, não precisava ouvir fisicamente, fui compondo", completou, explicando o fato de ele ser capaz de compor mesmo sem ouvir. 

Na última semana, o ex-jogador realizou seu primeiro concerto, ocorrido no Museu Brasileiro da Escultura, em São Paulo (MuBE). Na apresentação, ele tocou de Tom Jobim à Beethoven, o famoso pianista e compositor que, como ele, perdeu a audição.

Acostumado a pressão de jogar diante de estádios lotados e da fiel torcida corintiana, o músico admitiu que a pressão de tocar em público é bem maior do que atuar com a camisa do Corinthians: 

"No estádio lotado as pessoas estão a 500 m. Tem 22 jogadores mais um juiz e bandeirinhas pra eles reclamarem e terem atenção. Aqui, o público está a cinco, seis metros de você, e é você e você. Então estou mais nervoso agora com 50 anos do que com 17 na estreia, num Corinthians e Palmeiras, com Morumbi lotado", afirmou.

A matéria completa vai ao ar na manhã deste sábado (28) no programa Esporte Fantástico, da Rede Record.


    Leia tudo sobre: Futebol