Tamanho do texto

Bandeira de Mello foi aconselhado por pessoas próximas a ficar no Rio pelo momento instável do clube e o risco iminente da queda do técnico Muricy Ramalho

Eduardo Bandeira de Mello, presidente do Flamengo, ficará no Rio
Gilvan de Souza/Flamengo
Eduardo Bandeira de Mello, presidente do Flamengo, ficará no Rio

A crise no Flamengo tirou o presidente do clube, Eduardo Bandeira de Mello, da seleção brasileira na Copa América Centenário. O dirigente não virá aos Estados Unidos para ser o chefe da delegação para a qual foi convidado. O vice-presidente da CBF, coronel Antonio Nunes, vai exercer a função.

Leia

Convocação para Olimpíada já tem data definida e deve ter nomes da Copa América

Rodada com mais técnicos expulsos do que jogadores indica rigor no Brasileirão

Bandeira de Mello deveria chegar nesta quinta-feira, mas foi pressionado pelos seus pares no Flamengo a ficar no Rio por causa do momento difícil que o time passa, instável em campo e ainda sob risco de ficar sem técnico. Muricy Ramalho pode pedir demissão por causa do problema de saúde que teve na semana passada (arritmia cardíaca). Independentemente disso, há quem queira sua saída em função dos fracos resultados do time nesta temporada.

Coronel Nunes será o chefe da delegação brasileira
Lucas Figueiredo / MoWA Press
Coronel Nunes será o chefe da delegação brasileira

O fato de Bandeira de Mello ter aceitado a chefia da delegação brasileira, aliás, foi motivo de críticas ao dirigente. Um dos mais ativos integrantes da Primeira Liga, a associação dissidente da CBF que promoveu no início do ano seu primeiro torneio (a Copa Sul-Minas-Rio), ele teria sido "cooptado" por Marco Polo del Nero, o presidente da CBF, de acordo com alguns mandatários de outros clubes. O flamenguista se defendeu, dizendo que não se pode misturar as coisas nem recusar um convite para defender o país.

Mesmo fora da delegação, Eduardo Bandeira de Mello disse que estará nos Estados Unidos para assistir a alguns jogos, inclusive o da estreia da seleção, dia 4 de junho, contra o Equador.