Tamanho do texto

Para especialista, solda em guarda-corpo do estádio é inadequada: "Faltou a devida preocupação técnica"

Grade de proteção do Morumbi
MARCELO D. SANTS/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO
Grade de proteção do Morumbi

Quando o meia Michel Bastos marcou o gol da vitória do São Paulo  sobre o Atlético-MG  na última quarta-feira, pela Copa Libertadores, o administrador de empresas Salim Ali não conseguiu comemorar. O torcedor estava no camarote onde um guarda-corpo cedeu e cerca de 30 pessoas caíram de uma altura de cerca de dois metros do anel inferior até o fosso. A única reação dele, que não se feriu, foi de procurar pelo filho de 11 anos, que, com três fraturas no rosto, é uma das vítimas com mais ferimentos no episódio.

Leia

Perito aponta corrosão em grade de proteção que cedeu no Morumbi

Torcedor filma própria queda após gol de Michel Bastos

"Não houve 'avalanche' na hora do gol. Todos estavam parados. A grade estava fraca e mal conservada. Vi que a base estava dele enferrujada. A gente nunca ia imaginar que aconteceria esse estrago", contou Ali. Na última quinta, o administrador passou o dia em hospitais para acompanhar as transferências do filho, que foi submetido a uma cirurgia.

Aos 11 anos, o garoto frequenta o estádio desde os cinco e por ser fanático pelo São Paulo, não chegou a reclamar do acidente. "Como ele é novo, não entende direito o que se passou. De dor ele não tem reclamado, mas ficou feliz com a vitória do time", contou o pai. Apesar do susto com a queda, Ali elogiou o atendimento do São Paulo e afirmou ter sido bem assistido, inclusive com telefonemas de dirigentes.

O São Paulo atendeu no ambulatório do estádio 16 feridos. Sete deles foram encaminhados para hospitais e três, incluindo o filho de Ali, precisaram passar por cirurgias para corrigir fraturas. Outros dois chegaram a receber alta, mas como sentiram dores, foram encaminhados para serem submetidos para novas avaliações.

O clube prometeu bancar todos os gastos hospitalares das vítimas e aguarda o resultado dos laudos técnicos para definir quais providências tomar. Nesta quinta-feira, a Defesa Civil determinou a interdição da primeira fileira de cadeiras de todo o anel inferior do Morumbi.

Especialista diz que solda em guarda-corpo no Morumbi é inadequada

Um perito do Instituto de Criminalística e uma especialista ouvida pela Estadão.com alertaram para as mesmas possíveis causas para explicar o rompimento do guarda-corpo em um camarote do estádio do Morumbi durante jogo do São Paulo na última quarta-feira. A fragilidade do material de aço inox é apontada como um dos motivos para que a estrutura tenha cedido, deixando 16 torcedores feridos ao caírem do anel inferior para o fosso.

Detalhe da grade que caiu
MARCELO D. SANTS/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO
Detalhe da grade que caiu

Anos atrás o clube elevou o guarda-corpo de 1 metro para 1,1m para atender padrões de segurança. No procedimento, realizou uma solda para fixar uma nova peça e mudar a altura. "Não é recomendado efetuar uma solda em guarda-corpos. Faltou a devida preocupação técnica até para se fazer testes", disse Flávia Zóega Andreatta Pujadas, ex-presidente do Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo (Ibape-SP) e especialista em avaliações e perícias de engenharia.

"Realizar uma solda em qualquer elemento metálico fragiliza o material, a não ser que seja uma solda de altíssimo desempenho", explicou a especialista. A grade cedeu durante a comemoração do gol de Michel Bastos, o da vitória por 1 a 0 sobre o Atlético-MG nesta quarta-feira, pela Copa Libertadores. O incidente fez a partida paralisada por seis minutos.

Logo depois do fim do jogo o perito do Instituto de Criminalística Edwar Folli Junior visitou o local e afirmou que havia corrosão na grade. "Vamos mandar para o laboratório para ver que tipo de corrosão. É muito evidente, dá para ver que estava fragilizado. Não é feito para suportar a tensão que suportou", completou.

O vice-presidente de comunicações e marketing do São Paulo, José Francisco Manssur, afirmou em entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira que a solda na grade não pode ser apontada como a causa do acidente. "Não houve ruptura na solda da adaptação. Quando tivermos o laudo, vamos nos manifestar sobre isso", disse.

O dirigente defendeu que o rompimento do guarda-corpo evitou a aglomeração excessiva e possíveis lesões aos torcedores. "Um guarda-corpo não pode cair a qualquer força, mas se ele não ceder, pode causar esmagamento e as pessoas podem se espremer", explicou.

Já a engenheira, por sua vez, afirmou que pelas normas técnicas o guarda-corpo não poderia ceder. "Tem que ser resistente e jamais ceder. Ele não pode funcionar como um alambrado, até porque do outro lado tinha um desnível de pelo menos dois metros."