Tamanho do texto

Ex-vice-presidente da entidade máxima do futeobol admitiu ter aceitado subornos no valor de milhões de dólares ligados aos direitos comerciais para torneios internacionais

Jeffrey Webb, das Ilhas Cayman
BBC
Jeffrey Webb, das Ilhas Cayman

Os promotores do Comitê de Ética da Fifa querem o banimento pelo resto da vida de Jeffrey Webb, ex-vice-presidente da entidade, que se declarou culpado de acusações de infrações relacionadas a extorsão, fraude e lavagem de dinheiro nos Estados Unidos.

Leia

Campeão mundial com a Itália, Luca Toni anuncia aposentadoria aos 38 anos

Apesar do Leicester, Brasileirão ainda é o mais democrático dos grandes campeonatos

A câmara de julgamento da comissão explicou que abriu um processo contra Webb, que poderá apresentar a sua versão do caso e dará posteriormente um veredicto. O comitê de ética declarou que recebeu um relatório final da investigação, liderada pelo advogado suíço Cornel Borbely, na semana passada, em 26 de abril dos promotores da Fifa.

Em novembro, Webb admitiu ter aceitado subornos no valor de milhões de dólares ligados aos direitos comerciais para torneios internacionais de futebol.O ex-dirigente das Ilhas Cayman deve ser condenado pela Justiça norte-americana no próximo mês. Ele pode pegar uma pena de até 20 anos de prisão. O ex-dirigente é um dos 41 indivíduos e entidades acusadas de corrupção nos Estados Unidos.

Webb era presidente da Concacaf quando foi preso em 27 de maio no hotel Baur au Lac, em Zurique, junto com outros dirigentes, como o brasileiro José Maria Marin, ex-presidente da CBF, às vésperas do início do Congresso da Fifa.