Tamanho do texto

Segundo pai de Murtaza, família era ameaçada por telefone: ""Nossa vida tornou-se um inferno"

Murtaza Ahmadi, garoto afegão com camisa autografada de Messi
MAHDY MEHRAEEN/ASSOCIATED PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Murtaza Ahmadi, garoto afegão com camisa autografada de Messi

A família do pequeno fã de Messi, Murtaza Ahmadi, precisou fugir do Afeganistão por conta das constantes ameaças recebidas por telefone, contou o pai do menino, Mohammad Arif Ahmadi nesta terça-feira (05).

Leia

Descobridor de Mahrez vibra com título do Leicester: 'É uma bela história'

Família de morto em briga de torcidas vai à Justiça para acionar organizadas

"Nossa vida tornou-se um inferno. Eu vendi todos os meus pertences e levei minha família para fora do Afeganistão para salvar a vida do meu filho assim como as vidas dos outros familiares", disse Mohammad à agência de notícias Associated Press.

O homem informou que, após o menino ter virado uma sensação mundial, começou a receber constantes ameaças e temia que Murtaza fosse sequestrado. Segundo Mohammad, eles se mudaram para a capital do Paquistão, Islamabad, mas por questões financeiras, acabaram indo para Quetta, também no território paquistanês.

Murtaza ficou famoso mundialmente ao ser fotografado com uma "camiseta" de Messi feita com sacola plástica. A história parecia ter tido um final feliz em janeiro deste ano, quando o pequeno recebeu uma camisa da Argentina oficial e autografada por seu ídolo Lionel Messi. À época, o Unicef do Afeganistão afirmou que promoveria um encontro entre os dois, mas de acordo com Mohammad, nada foi agendado nessa direção.