Tamanho do texto

Lateral fechou com o clube alviverde por três temporadas, mas prefere se manter calado; Diniz minimiza assédio ao Audax

O Audax voltou a treinar na manhã desta sexta-feira, em Osasco, visando o primeiro jogo da final do Campeonato Paulista , domingo em casa, contra o Santos . Antes de ir ao gramado para trabalhar porém, o lateral Tchê Tchê e o técnico Fernando Diniz tiveram que atender aos jornalistas e não escaparam de falar sobre a inevitável debandada de jogadores da equipe, que ganhou muita visibilidade ao eliminar São Paulo  e Corinthians  na reta decisão da competição estadual.

Tchê Tchê, do Audax
Divulgação
Tchê Tchê, do Audax

O primeiro com saída já confirmada da equipe após as finais do Paulistão é justamente Tchê Tchê, que acertou sua ida para o Palmeiras  por três temporadas. O jogador de 23 anos assinará contrato após o término do torneio, mas nesta sexta se recusou a falar sobre o assunto, tendo em vista o fato de que no momento está exclusivamente focado nos confrontos decisivos diante do Santos.

Leia

Em alta no Palmeiras, Gabriel Jesus deve ir para a Europa após a Olimpíada

Técnico Cuca observa treino físico com dupla de jovens da base

O atleta chegou para dar entrevista coletiva acompanhado pela assessoria de imprensa do Audax e, ao ser questionado sobre o acerto com o Palmeiras, se limitou a dizer: "Não tenho nada a declarar".

Já ao falar sobre como o elenco do time osasquense vem lidando com o assédio de outros clubes, o lateral também desconversou ao lembrar que agora é o momento de pensar apenas nos jogos contra o Santos. "Falamos pouco sobre isso. Estamos focados nas finais do campeonato e o que vem depois a Deus pertence", afirmou. "O assédio é consequência do trabalho que já vem sendo feito, mas isso nunca foi o foco principal. Sempre focamos na equipe como um todo, e não em se destacar individualmente", completou.

O técnico Fernando Diniz, por sua vez, minimizou o peso do assédio aos jogadores do Audax ao destacar que a saída de atletas para equipes de maior expressão é um caminho inevitável, tendo em vista sucesso que o time vem tendo no Paulistão e o próprio interesse do clube em lucrar com possíveis transações.

"Pra gente a saída de jogadores é um motivo de alegria e fortalecimento. Isso não tira o foco do time. Pelo contrário, nosso time foi feito para isso, para que os jogadores crescem profissionalmente e evoluam em suas carreiras como atletas", afirmou o comandante, também em entrevista coletiva nesta manhã.

O treino que o Audax realizou no final da manhã desta sexta-feira foi fechado para a imprensa, mas a tendência é a de que Diniz mantenha o mesmo time titular que iniciou o confronto diante do Corinthians, no último sábado, no Itaquerão, pelas quartas de final do Paulistão. O goleiro Sidão, que assumiu o posto de titular após a lesão sofrida por Felipe Alves, seguirá na equipe depois de ter sido decisivo na disputa por pênaltis que levou o time de Osasco às finais.