Tamanho do texto

Rastros de pagamentos ilegais foram encontrados em planilhas e documentos apreendidos pela Polícia Federal

Arena Corinthians foi citada na operação Lava Jato
Divulgação/Arena Corinthians
Arena Corinthians foi citada na operação Lava Jato


A casa do Corinthians virou alvo da Lava Jato. O estádio em Itaquera, que também foi palco da abertura da Copa de 2014, acabou sendo citado na operação que investiga a corrupção no governo e empresas ligadas às obras governamentais e passou a ser investigado pela Polícia Federal, segundo o jornal "Folha de S. Paulo".

"Em relação ao estádio da Copa, já temos indicativos de outras fases e de delações em andamento. Nesta fase da Lava Jato, identificamos pagamentos em relação à diretoria que cuida de contratos da Arena Corinthians”, explica o procurador Carlos Fernando dos Santos.

E MAIS

Corinthians pede reunião com PM para evitar novos confrontos

Após quase deixar o Corinthians, Cássio se diz feliz, mas não descarta saída

Segundo esclarece o procurador na publicação, diversas propinas foram pagas a uma série de órgãos espalhados pelo Brasil. Dentro dessas operações, estão relacionados vários contratos de obras, com o estádio do Corinthians incluso. "São obras de diversas áreas". De acordo com Carlos, não há agentes políticos envolvidos, mas “pessoas ligadas a partidos políticos”. Os nomes serão conhecidos assim que o sigilo for retirado.

As investigações ainda estão em fase inicial, mas o procurador destacou que a Oderbrecht usou dinheiro ilegal para construir e gerir o estádio corintiano. Rastros de pagamentos ilegais foram encontrados em planilhas apreendidas.

A PF divulgou o nome dois operadores financeiros e uma série de executivos da Odebrecht que foram levados em prisão preventiva nesta fase da Lava Jato. As informações descobertas nessa fase levaram a delegada Renata Rodrigues a declarar que a atuação da empresa é forte indicativa de que se trata de uma “organização criminosa”.

Outro lado

Após o Itaquerão ser citado na 26ª fase da operação Lava Jato, nesta terça-feira, o Corinthians se pronunciou por meio de nota oficial e afirmou que irá apurar se houve, de fato, pagamento de propina ao vice-presidente do Corinthians, André Luiz de Oliveira, conhecido como André Negão.

O dirigente é suspeito de ter recebido R$ 500 mil da Odebrecht, construtora do estádio. André Negão foi preso em flagrante nesta terça-feira, mas foi por porte ilegal de armas. Às 6h, agentes da Polícia Federal foram a sua casa no Tatuapé com a missão de conduzi-lo coercitivamente para depor na Superintendência da Corporação, na Lapa. Durante as buscas em sua residência, os federais encontraram uma arma de fogo, sem licença.

Porém, seu nome apareceu numa planilha de contabilidade secreta de propinas da Odebrecht, segundo apontou a PF na Operação Xepa, a nova fase da Lava Jato. Na planilha, André Luiz de Oliveira está ligado a "uma anotação de um possível pagamento" no endereço Rua Emilio Mallet, em São Paulo, "a ser liquidado na data de 23 de outubro de 2014, no valor de R$ 500 mil, com a anotação do telefone".

O Corinthians se manifestou no início desta tarde em resposta à investigação. "O Sport Club Corinthians Paulista atesta por meio desta que quaisquer irregularidades ou desvios de conduta, constatados por autoridades ou não, serão devidamente apurados, e a instituição tomará todas as providências a si cabíveis para punir os responsáveis, bem como diligenciar para que todos os prejuízos causados ao clube e à Arena Corinthians sejam ressarcidos", declarou o clube.

Palco da abertura da Copa do Mundo, o estádio que foi inaugurado em 2014 custou cerca de R$ 1,2 bilhão e está sendo pago, em parte, com financiamento do BNDES.