Tamanho do texto

Investigação foi iniciada em setembro de 2015 sob a suspeita de que suíço teria pago valores em benefício a Michel Platini

Blatter é ex-presidente da Fifa e é acusado de ter realizado pagamentos suspeitos
Philipp Schmidli/Getty Images
Blatter é ex-presidente da Fifa e é acusado de ter realizado pagamentos suspeitos

A Federação Francesa de Futebol foi alvo de uma operação de busca por parte da polícia. Segundo os Ministérios Públicos da França e da Suíça, a operação está relacionada com as investigações envolvendo o ex-presidente da Fifa, Joseph Blatter acusado de ter feito pagamentos suspeitos no valor de US$ 2 milhões para Michel Platini, afastado da presidência da Uefa.

E mais

Infantino será substituído por diretor da Uefa em sorteio da Champions

Com reforma, estádio do Barcelona terá capacidade para 105 mil torcedores

Ambos foram suspensos pelo Comitê de Ética da Fifa, dando fim ao reinado de Blatter e impedindo que o francês concorresse ao cargo máximo do futebol, para o qual foi eleito Gianni Infantino.

Mas, na Justiça, o caso ganha novos contornos. Segundo o MP suíço, no dia 14 de janeiro, Berna solicitou a cooperação dos franceses para investigar o caso. Agora, portanto, parte do pedido começou a ser aplicado, com a operação na sede da entidade em Paris.

A investigação foi iniciada em setembro de 2015, sob a suspeita de que o dinheiro tenha sido um pagamento de uma propina ou um benefício indevido para Platini para não se apresentar como candidato às eleições na Fifa em 2011, justamente contra Blatter.

Os dois cartolas insistem que o dinheiro se refere a um salário atrasado de Platini, que trabalhava na Fifa como conselheiro de Blatter em 2003. Mas, para a Justiça, o atraso de nove anos para a realização do pagamento e o fato de Platini ter passado a ser vice-presidente da Fifa o obrigariam a declarar os valores.

Na Suíça, Blatter ainda corre o risco de ser detido por ser investigado por administração criminosa e apropriação indevida de recursos. Já Platini foi ouvido até agora apenas na condição de "parte envolvida".