Tamanho do texto

Campeão da Copa América e finalista do prêmio de melhor técnico do mundo, argentino salientou desejo de ficar no país

Jorge Sampaoli continuará como treinador da seleção chilena
EFE
Jorge Sampaoli continuará como treinador da seleção chilena

O técnico Jorge Sampaoli anunciou nesta quarta-feira que continuará trabalhando na seleção chilena e garantiu não ser verdadeira a informação divulga pela imprensa local de que não deseja continuar à frente da atual campeã da Copa América.

"Não é verdade que não quero viver nem trabalhar no Chile", declarou Sampaoli em pronunciamento à imprensa, no qual não abriu espaço para perguntas.

O treinador argentino, que levou 'La Roja' a um título inédito no ano passado, tinha dito em várias entrevistas que se sente maltratado e perseguido no Chile, usando inclusive o termo "refém".

"Faz sete anos que estou aqui, meu projeto social e afetivo continua vinculado no Chile. Continuo vivendo em Santiago", declarou o técnico, que chamou de falsas as notícias de que ele queria sair e se queixou do vazamento de detalhes de seu contrato com a Associação Nacional do Futebol Profissional do Chile (ANFP).

"Vazaram meu contrato, violando a confidencialidade dele, em um fato evidente para prejudicar minha imagem", criticou Sampaoli, que voltou hoje a Santiago depois de ter participado da cerimônia de gala da Fifa na última segunda-feira. Ele ficou em terceiro lugar na premiação de melhor técnico, atrás dos espanhóis Luis Enrique, vencedor, e Josep Guardiola.

"Especulou-se que eu tinha contas em paraísos fiscais. Organismos oficiais esclareceram a situação. Tentaram causar dano a mim e indiretamente ao país pelo cargo que ocupo", completou.