Tamanho do texto

Alfredo Hawit, que também é ex-presidente da Concacaf, chega nesta quarta-feira ao país e já presta depoimento

EFE

Alfredo Hawit aceita extradição para os EUA
Reprodução
Alfredo Hawit aceita extradição para os EUA


O hondurenho Alfredo Hawit, ex-presidente da Concacaf e vice-presidente da Fifa, foi extraditado aos Estados Unidos e prestará depoimento nesta quarta-feira pela primeira vez em um tribunal federal de Nova York, onde é acusado de corrupção.

Segundo comunicado divulgado pela Procuradoria nova-iorquina, Hawit ficará diante de um juiz a partir das 19h de Brasília, após chegar à cidade vindo da Suíça, onde foi detido no dia 3 de dezembro.

LEIA TAMBÉM:
+ Jérôme Valcke é demitido da Fifa após escândalo em venda de ingressos para Copa

Hawit é acusado de ter aceitado propinas de milhões de dólares, pagas por empresas, para a comercialização de direitos de transmissão de torneios de futebol na América Latina.

Segundo informações fornecidas à Agência Efe por fontes da Procuradoria, depois do depoimento será decidido sobre a possibilidade de liberar o dirigente mediante pagamento de fiança.

Em documento remetido hoje ao juiz, o Ministério público solicitou que a fiança seja de US$ 4 milhões, por considerar alto o risco de fuga. Desse valor, pelo menos US$ 500 mil deveriam ser pagos em dinheiro ou ativos imobiliários nos Estados Unidos e a assinatura de mais de cinco fiadores no país.

Além disso, o promotor reivindica que, em caso de liberação, Hawit fique submetido a prisão domiciliar com um sistema de vigilância eletrônica.

O dirigente era contra a extradição da Suíça para os EUA, mas aceitou a mudança há uma semana. Ele é acusado de aceitar grandes propinas à frente da federação hondurenha e como presidente interino da Concacaf, cargo que ocupou depois que seus dois antecessores também foram acusados de corrupção.