Tamanho do texto

Eduardo Li estava detido desde 27 de maio na Suíça e viajou de Zurique até Nova York acompanhado por dois policiais

Eduardo Li, ex-presidente da Federação Costa-Riquenha de Futebol
Jamie McDonald - FIFA/FIFA via Getty Images
Eduardo Li, ex-presidente da Federação Costa-Riquenha de Futebol

O ex-presidente da Federação Costa-Riquenha de Futebol (Fedefut) Eduardo Li foi extraditado nesta sexta-feira aos Estados Unidos, anunciou o Ministério da Justiça da Suíça, país onde o dirigente estava detido acusado de corrupção.

Em comunicado, o ministério informou que Li foi viajou de Zurique até Nova York acompanhado de dois policiais americanos. Ele tinha sido detido em 27 de maio de 2015, após um pedido de prisão internacional feito pelas autoridades dos EUA.

No último dia 29 de setembro, o Ministério da Justiça da Suíça autorizou a extradição de Li aos EUA, mas o dirigente costa-riquenho decidiu recorrer da decisão. No entanto, no dia 11 de dezembro, ele retirou o recurso, liberando as autoridades para darem sequência ao processo de extradição completado hoje.

Os motivos para Li ter mudado de opinião não foram divulgados.

Li foi preso em Zurique no último dia 27 de maio junto com outros seis dirigentes da Fifa, entre eles José Maria Marin, ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), e ficou preso desde então à espera de sua extradição.

A Procuradoria de Nova York acredita que Li aceitou propina de uma empresa americana para vender os direitos de transmissão das partidas das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018.

O comunicado explica que, com sua atuação, Li prejudicou a concorrência no mercado de marketing esportivo e distorceu o mercado midiático. Além disso, as autoridades suíças consideram que ex-dirigente privou a Fedefut da possibilidade de negociar contratos mais vantajosos para a entidade.