Tamanho do texto

Mais de um ano depois da maior derrota da seleção brasileira, o futebol no país continua longe de aprender com seus erros

David Luiz, o rosto do 7 a 1
Mowa Press
David Luiz, o rosto do 7 a 1

As expectativas para 2015 eram grandes. Mudanças no calendário dos estaduais, maior tempo de pré-temporada, a volta da seleção brasileira às Eliminatórias da Copa  tentando apagar o fatídico 7 a 1 para a Alemanha no Mundial passado e a primeira vez que o calendário da Série A do Campeonato Brasileiro  pararia em datas Fifa.

Leia também: Atletas participam de manifestação popular contra CBF

Com certeza era um ano em que as pequenas mudanças poderiam fazer a diferença. Mas fazendo um balanço a poucos dias da virada para 2016 a impressão é outra.

Corrupção na Confederação Brasileira de Futebol, eliminação precoce da seleção na Copa América, dificuldades nas Eliminatórias e a falta de organização nos campeonatos prometem um próximo ano obscuro para o futebol.

Tour nas arenas

Cássio, goleiro do Corinthians , comentou em fevereiro, durante programa do canal Fox Sports, que promover jogos em sequência nas arenas construídas pelos País para a Copa do Mundo é algo cansativo, pela distância entre uma e outra. Para o atleta, não se tem mais um preparo físico adequado para aguentar de três a quatro horas de vôo e uma partida de 90 minutos em seguida.

Desde o fim a Copa de 2014, CBF e promotores tentam colocar partidas de grandes equipes em arenas pouco utilizadas após a Copa, como Brasília, Cuiabá e Manaus.

Reunião para quê?

Em abril, a CBF organizou um bate-papo entre os técnicos da Série A em sua sede, no Rio de Janeiro. A ideia era debater calendário, arbitragem e o êxodo de jogadores. O coordenador de seleções Gilmar Rinaldi afirmou que a intenção era melhorar a comunicação e alguns pontos seriam revistos, outros anotados.

Leia: Retrospectiva: confira os campeões dentre os campeões de 2015

Técnicos que participaram da reunião
Rafael Ribeiro / CBF
Técnicos que participaram da reunião

Durante a conversa, o ex-técnico do Atlético Mineiro, Levir Culpi, chegou a comentar sobre as atitudes de Luxemburgo e Felipão em relação à arbitragem: “O Vanderlei e o cara de pau do Felipão fizeram um pedido. Eles querem mais liberdade para reclamar com o árbitro. Eles querem apitar o jogo. O Felipão, quando jogam a moeda, sempre acha que está sendo prejudicado”, brincou o treinador.

Coincidentemente, uma das frases mais reproduzidas neste Brasileirão foi a declaração do próprio Levir em relação aos árbitros “O Brasileiro de 2015 já está manchado pela arbitragem. Não me lembro de ter havido uma tamanha comoção”, declarou o treinador, que durante algumas rodadas continuou reclamando.

Corrupção e venda na CBF

Em maio, o jornal "O Estado de S.Paulo" publicou uma reportagem sobre documentos que comprovavam acordo entre a CBF e a empresa ISE para jogos da seleção brasileira. Os contratos obtidos descreviam que os jogadores convocados deveriam atender a critérios de parceiros comerciais. À frente dessa operação estava Ricardo Teixeira, então presidente da entidade.

O substituto de Teixeira na presidência da CBF, Marco Polo del Nero, chegou a declarar que os contratos não eram ruins, já que os jogos da seleção na época davam prejuízo “Nós chegamos já tinha esse contrato, temos de cumprir. Eu não chego a dizer que é ruim. Porque quando a gente jogava no Brasil não chegava a tirar esse valor (US$ 1,05 milhão). Hoje quanto é isso? R$ 3 milhões é pouco? Se analisar, hoje o contrato é bom.”

José Maria Marin ao lado de Marco Polo Del Nero
Divulgação/CBF
José Maria Marin ao lado de Marco Polo Del Nero

No mesmo mês, o ex-presidente da CBF José Maria Marin foi preso durante operação na Suíça que ficou conhecida como Fifagate . A polícia suíça juntamente com o FBI prenderam sete dirigentes da Fifa e cinco executivos por corrupção e extorsão. O brasileiro foi acusado de receber propina durante a Copa América e a Copa do Brasil, em 2014.

No começo de dezembro, Del Nero também entrou na mira do FBI e após ser denunciado pediu licença da presidência. A CBF anunciou uma eleição para a escolha do novo vice-presidente (substituir Marin) para amanhã com aliado de Del Nero concorrendo sozinho pelo cargo.

Leia: Abílio não se candidata na CBF, mas se diz disposto a "tirar futebol da prisão"

Partiu Sibéria, Eurico!

Eurico Miranda deu explicações sobre a queda do Vasco para a Série B
Marcello Dias / Futura Press
Eurico Miranda deu explicações sobre a queda do Vasco para a Série B

Eurico Miranda, presidente do Vasco da Gama, protagonizou a frase do ano: “Se o Vasco cair eu me mudo para a Sibéria” .

O mandatário soltou o desafio em agosto, quando o time ainda estava em último lugar da tabela. Eurico ainda disse que a palavra rebaixamento era proibida nos arredores da colina. Resultado? Mais um rebaixamento, o terceiro em oito anos.

Trapaça

Em outubro, o jogador da Ponte Preta Alexandro marcou um gol irregular no duelo contra o Coritiba, vencido pelo time paulista por 3 a 0. A bola resvalou no braço do atacante, que no fim do jogo confirmou a irregularidade.

Porém, o que chamou atenção foi o modo irônico com o que Alexandro reconheceu o erro: “Acho que pegou um pouquinho, mas o que vale é o gol. Manda eles reclamarem lá na Federação”, brincou ao sair de campo.

Dança das cadeiras

A temporada ficou marcada pela constante troca de técnicos. De todos os 20 clubes da elite do Brasileirão, apenas um se manteve no cargo para 2016, justamente o campeão Tite, do Corinthians. Ao todo, foram 35 mudanças de comando.


Vida díficil para a seleção brasileira

Dos jogadores titulares no fatídico 8 de julho de 2014, na semifinal contra a Alemanha, apenas dois foram convocados para a Copa América  - David Luiz e Fernandinho. A “renovação” do elenco era a esperança dos torcedores em conquistar o título e esquecer a campanha traumática da Copa do Mundo em casa, porém outro vexame foi visto.

A seleção brasileira apresentou um futebol ruim em praticamente toda a competição. Na fase de grupos ficou em primeiro com seis pontos (duas vitórias e uma derrota) e nas quartas de final caiu para o Paraguai na disputa de pênaltis.

A dependência do atacante Neymar, por mais que negada pelos jogadores e pelo técnico Dunga, foi vista mais uma vez. O desequilíbrio do astro com a camisa canarinho também. Neymar foi expulso ainda no segundo jogo, contra a Colômbia, quando se envolveu em confusão com Murillo e Baca.

Seleção Brasileira, apesar dos maus resultados, subiu posições no ranking da Fifa
Rafael Ribeiro / CBF
Seleção Brasileira, apesar dos maus resultados, subiu posições no ranking da Fifa

Além da eliminação precoce durante a Copa América, o Brasil correu o risco de terminar o ano fora da zona de classificação das eliminatórias sul americanas para a Copa de 2018, na Rússia.

Na primeira rodada, uma pancada do Chile, 2 a 0. Na segunda, vitória em casa sobre a Venezuela por 3 a 1. No terceiro jogo, o clássico contra a Argentina poderia ser um divisor de águas. As duas seleções estavam mal e precisavam do resultado para crescer na tabela e na confiança dos torcedores. O resultado? Empate em 1 a 1.

Pressionadíssimo, o Brasil jogou a vida contra o Peru na Arena Fonte Nova, na Bahia, e teve um bom desempenho. Com a combinação dos resultados, terminou em 3º lugar na classificação geral e se acabasse agora, estaria com a vaga garantida no Mundial.

Apesar do alívio, a sequência de jogos não é animadora. Uruguai, Paraguai, Equador (líder) e Colômbia até o meio do ano que vem. Será um longo ano.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.