Tamanho do texto

Lei que recebeu o nome de ex-jogador belga revolucionou o mercado e aumentou o poder dos jogadores na Europa

Jean Marc Bosman, belga que conseguiu mudar as regras para transferências nos anos 90, dando mais poder aos jogadores em relação aos clubes
Reprodução
Jean Marc Bosman, belga que conseguiu mudar as regras para transferências nos anos 90, dando mais poder aos jogadores em relação aos clubes

Jean-Marc Bosman nunca foi um grande destaque dentro de campo. Nascido na Bélgica em 1964, o meia não teve uma carreira brilhante e sequer defendeu a seleção do seu
país, mas mesmo assim foi imortalizado por mudar os rumos do futebol europeu.

Leia: Champions League tem Bayern x Juve e mais confrontos de peso pelas oitavas

Sua história, que deu origem à Lei Bosman, que completa 20 anos nesta terça-feira, permitiu que os jogadores europeus, ao fim de seus contratos, pudessem assinar com outros clubes, não ficando vinculados a suas agremiações devido ao passe.

Quando atuava pelo RFC Liège, que havia comprado seu passe do Standard de Liège por 75 mil francos belgas, o jogador, em fim de contrato, recebeu uma proposta de renovação em que teria seu salário reduzido para 25% do contrato anterior. Sem aceitar, ouviu proposta do Dunkerque, da França. Na hora de acertar a transferência, o clube belga pediu um valor de 600 mil francos belgas para repassar o jogador.

Leia também: Retrospectiva: confira os campeões dentre os campeões de 2015

"Eu estava no fim do meu contrato com Liège. Eles me ofereceram um novo contrato com valor quatro vezes menor do que eu recebia no anterior e para me vender para Dunkerque eles estavam exigindo quatro vezes o preço que haviam pago por mim anteriormente. Em outras palavras, eles pensaram que eu havia me tornado quatro vezes melhor se eu quisesse sair e quatro vezes pior se eu quisesse ficar e assinar novamente com eles", disse Bosman, hoje com 51 anos, ao jornal inglês "The Guardian", "Eu me sentia em cativeiro", completou.

Foi neste momento que Bosman acreditou que havia chegado a hora de buscar seus direitos na Justiça, pois não aceitava que fosse um prisioneiro dentro de um clube que, antes de 1995, detinha o poder sobre o jogador de forma que, ao fim de um contrato, se via desobrigado a remunerá-lo, mas poderia impedir que ele atuasse em outro clube sem que fosse devidamente pago.

Leia: Messi vê "crescimento enorme" de Neymar desde goleada humilhante em Mundial

A briga jurídica se estendeu por cinco anos, culminando com 1995, quando o tribunal de Justiça da União Europeia, localizado em Luxemburgo, deu ganho de causa ao jogador, que sabia que não poderia seguir sua carreira, mas que havia mudado a forma de administração do futebol europeu.

"A mensagem tinha sido dada pela Uefa e Fifa para que todos os clubes não me
contratassem porque eu tinha tomado medidas legais contra as entidades e contra o
Liège", afirmou, "Eu percebi que minha carreira tinha acabado assim que decidi tomar medidas contra a Federação Belga, o clube e a Uefa, mas meu raciocínio era que eu era um cidadão europeu e deveria ser capaz de se mover livremente como os outros trabalhadores", completou.

Com a decisão, os jogadores passaram a ficar livres dos seus vínculos ao fim dos contratos e, mais do que isso, não deixava mais que os clubes fossem pagos por jogadores que assinavam contratos com outros durante os seis meses finais do vínculo.

Andrea Pirlo se beneficiou da Lei Bosman ao trocar o Milan pela Juventus
AP
Andrea Pirlo se beneficiou da Lei Bosman ao trocar o Milan pela Juventus

Entre os casos mais famosos entre os beneficiados da Lei Bosman estão o meia Steve
McManaman, que trocou o Liverpool pelo Real Madrid em 1999, Michael Ballack, que se
transferiu do Bayern de Munique para o Chelsea em 2006, e, mais recentemente Pirlo,
que trocou o Milan pela Juventus em 2011, e Robert Lewandowski, que em 2014 deixou o Borussia Dortumund e assinou com o Bayern de Munique. Outros nomes como Cambiasso, Ronaldo, Miroslav Klose, Henrik Larsson, James Milner e Sol Campbell também foram beneficiados pela atitude do ex-jogador belga.

Outra consequencia da Lei Bosman, porém, acabou sendo negativa, ao permitir que se
aumentasse o abismo financeiro entre os clubes mais ricos e mais pobres do continente,
o que, de acordo com o ex-jogador, se deve ao fato da lei estar sendo mal aplicada.

Porém, fato é que a atitude de Jean-Marc Bosman não só alterou os paradigmas de administração do futebol europeu como também acabou com um processo de quase escravidão entre um clube e o jogador, dando origem a atitudes semelhantes no resto do mundo, a exemplo da Lei Pelé no Brasil.