Tamanho do texto

Final da Copa do Brasil reúne rivais estaduais que encaram a possível conquista como a redenção de temporada turbulenta

Arouca e Lucas Lima em lance do último encontro entre Palmeiras e Santos no Allianz Parque
Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação
Arouca e Lucas Lima em lance do último encontro entre Palmeiras e Santos no Allianz Parque

Palmeiras  e Santos  decidem nesta quarta-feira o título da Copa do Brasil  no Allianz Parque encarando a possível conquista cada um a seu modo. Nenhuma das equipes fez uma temporada impecável: trocaram de técnico, flertaram com a zona de rebaixamento no Brasileirão, mas conduziram a Copa do Brasil paralelamente como uma fonte de alegrias. 

Leia também: Dorival se irrita com pôster do Santos campeão: 'Nosso País não é sério'

Tudo está aberto após a partida de ida. O Santos joga pelo empate. O Palmeiras precisa vencer por dois gols de diferença. Qualquer vitória do time da casa por um gol de diferença leva a partida para os pênaltis. 

Os 90 minutos entre o apito inicial e o final de Heber Roberto Lopes dividem também o saldo da temporada dos dois finalistas. No Palmeiras, coroa um ano que poderia ter sido melhor. No Santos, confirma um 2015 melhor do que as expectativas. 

No jogo de ida, Santos venceu por 1 a 0. Um empate dá o título ao time de Dorival Júnior
Lucas Baptista/Futura Press
No jogo de ida, Santos venceu por 1 a 0. Um empate dá o título ao time de Dorival Júnior

O Palmeiras iniciou 2015 prometendo grandes mudanças. Primeiro trouxe o diretor de futebol que conduziu o Cruzeiro ao bicampeonato nacional. Alexandre Mattos contratou mais de 25 jogadores e o técnico Oswaldo de Oliveira. Foi vice do Paulistão (derrotado nos pênaltis para o Santos) e após um início ruim no Brasileirão, trocou os Oliveiras. Veio Marcelo, o bicampeão brasileiro. 

Uma arrancada que colocou a equipe no G4 fez parecer que o Brasileirão seria de alegrias, mas logo veio uma sequência de jogos ruins. E antes de pegar o Santos, a soma é de seis jogos sem vencer no Brasileirão e a 11ª posição. A final da Copa do Brasil é a única chance de Marcelo Oliveira fortalecer seu trabalho para 2016. Finalista outras três vezes, tenta seu primeiro título.

Gabriel fez o gol da vitória do Santos diante do Palmeiras no primeiro jogo da final
Marcos Bezerra/Futura Press
Gabriel fez o gol da vitória do Santos diante do Palmeiras no primeiro jogo da final


O Santos viu 2015 começar com uma expectativa nada otimista. Primeiro, jogadores entraram na Justiça contra o clube por conta de salários atrasados (Arouca e Aranha, hoje no Palmeiras, foram alguns deles). Depois, cheio de dívidas, o Santos não vislumbrava um ano de conquistas.

Mas veio o Paulistão e com ele uma campanha honesta e vencedora. Mas Enderson Moreira, mesmo invicto com a equipe no ano, foi demitido. A diretoria alegou que o técnico mantinha os jovens da equipe no banco, especialmente "Gabigol". Marcelo Fernandes, da comissão técnica dixa do clube, assumiu e conduziu o time até o título estadual.

Eliminou o São Paulo na semifinal e na decisão passou pelo Palmeiras (perdeu por 1 a 0 na ida e, depois de um 2 a 1 na Vila, superou o rival nos pênaltis. Um cenário muito parecido ao da final desta Copa do Brasil). 

Dorival Júnior e Marcelo Oliveira, os comandantes dos finalistas da Copa do Brasil
Montagem/Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC/Cesar Grecco/Agência Palmeiras
Dorival Júnior e Marcelo Oliveira, os comandantes dos finalistas da Copa do Brasil

Mas campeonatos estaduais enganam. O Santos campeão logo virou presa fácil no Brasileirão e após rodadas na zona de rebaixamento, decidiu por nova mudança no comando da equipe. Foi aí que convocou a volta de Dorival Júnior, o técnico que conduziu a equipe ao título da Copa do Brasil de 2010. Cinco anos depois, pode se tornar o primeiro técnico a vencer o torneio pelo mesmo clube duas vezes. 

E a reação do Santos depois da chegada de Dorival salta aos olhos. No Brasileirão, deixou as últimas posições e vai terminar o campeonato sem sustos (até poderia estar no G4, mas quatro tropeços seguidos tiraram dele essa chance). 

Tanto Santos como Palmeiras abriram mão da briga pelo G4 por algo muito maior: um título. Mas um deles pagará o preço por esse "abandono" no Brasileirão. Ao vencedor, a glória. Ao perdedor, a chance de olhar para o ano como aquele que não foi o que poderia ter sido. 

"Tudo pode acontecer na quarta-feira, mas estamos preparados para fazer o nosso melhor", disse Dorival, que confirmou a mesma escalação titular da partida de ida na última semana: Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Gustavo Henrique e Zeca; Renato, Thiago Maia e Lucas Lima; Marquinhos Gabriel, Gabriel e Ricardo Oliveira

No Palmeiras, Marcelo Oliveira fez mais mistério. Gabriel Jesus é dúvida depois da luxação sofrida no jogo de ida. Lucas, expulso na ida, será substituído por João Pedro. O time titular deve ser formado por Fernando Prass; João Pedro, Jackson, Vitor Hugo e Zé Roberto; Arouca e Matheus Sales; Robinho, Dudu e Gabriel Jesus (Rafael Marques); Lucas Barrios.