Tamanho do texto

Presidente elogia Diego Aguirre e diz que pretende anunciar o nome do novo técnico até o final desta semana

Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, presidente do São Paulo
Alex Falcão/Futura Press
Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, presidente do São Paulo

Um dia depois de ver o São Paulo  sofrer sua maior derrota na história para o rival Corinthians, o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, convocou entrevista coletiva para tentar apaziguar a crise instalada no clube. No seu pronunciamento, o dirigente disse que não pretende iniciar mudanças no elenco antes de o clube assegurar vaga na Libertadores de 2016. O clube precisa de suas vitórias para conseguir a vaga.

Leia também:
+ Goleada por 6 a 1 confirma péssima temporada do São Paulo em clássicos

"Não pretendo fazer mudanças agora. Me cobrem em 15 dias", disse Leco. "O São Paulo está perto de alcançar uma posição entre os quatro primeiros e, portanto, se qualificar para a Libertadores. É o quarto entre 20 clubes. Há 16 outros que não estão no nosso patamar", comentou o cartola, que se mostrou irritado com postura de alguns jogadores.

"Esse problema está nos incomodando, de se ganhar está bom, se perder não faz mal. Não! Se perder vai ter que sofrer. E o sofrer é de sentimento, de não gostar de perder. É isso que pretendemos do nosso São Paulo", setenciou.

Veja a classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias do Campeonato Brasileiro

Segundo ele, a condição na tabela não permite mudanças drásticas neste momento. "Não estamos podendo mandar esse, esse ou aquele embora. Não será desestruturando o futebol do São Paulo que conseguiremos conquistar esse objetivo de ir à Libertadores. Mas essa não é uma conquista que nos iluda. Será um passo importantíssimo para o ânimo do nosso torcedor, para a recuperação da nossa auto estima", comentou.

Goleada encerra péssima temporada de clássicos para o São Paulo
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Goleada encerra péssima temporada de clássicos para o São Paulo

Leco disse ainda que pretende anunciar o técnico da próxima temporada ainda nesta semana. Ele elogiou Diego Aguirre, ex-treinador do Internacional, mas não adiantou quem será o contratado. Ele também falou sobre Diego Lugano, sonho da torcida para reforçar a zaga.

"Aguirre é bem reputado, está sendo comentado e é uma das figuras cogitadas. O Lugano é um símbolo da história do São Paulo, que honra e dignifica a história do São Paulo. A torcida grita o nome dele e quer o que ele simboliza, raça, entrega, determinação, valentia e não aceitar pura e simplesmente um resultado", disse.

"Não faz sentido contratar um novo treinador do porte que pretendemos contratar, e ele será um treinador moderno, com visão moderna do futebol, capacidade de comando do grupo exigida e que nós temos experiências passadas que foram exitosas. Dentro do seu trabalho, vai colocar a marca dele e discutir conosco o perfil dos jogadores", comentou. 

O São Paulo é quarto colocado do Brasileirão com 56 pontos. Ainda enfrenta o Figueirense, no Morumbi, neste sábado, e o Goiás, na última rodada, em Goiânia. Duas vitórias devem garantir a equipe na próxima Libertadores. 

"Humilhação pode parecer um sentimento negativo, prefiro não ter. Estamos magoados e feridos, mas vamos superar em pouco tempo. Se nós obtivermos bons resultados nessas partidas, teremos tranquilidade para o ano que vem", comentou. 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.