Tamanho do texto

Equipe mineira vencia até a metade do segundo tempo, mas teve suas pretensões esfriadas ao ceder o 1 a 1. Vitória do São Paulo neste domingo eliminaria ambos da briga pelo G4

Marcos Vinícius dá o corte em João Pedro
Alexandre Schneider/Getty Images
Marcos Vinícius dá o corte em João Pedro


O Palmeiras ficou no 1 a 1 com o Cruzeiro, neste sábado. Ainda assim, ao menos saiu de campo no Allianz Parque ouvindo mais aplausos do que resmungos de sua torcida ao buscar o empate, algo muito importante às vésperas de uma decisão. Na quarta-feira, o time enfrenta o Santos, valendo a Copa do Brasil.  Se não foi à base de categoria, foi com força de vontade. 

Leia também
Corinthians é campeão. Mas há muito em jogo ainda na competição 
Veja como está a classificação do Brasileirão no início da 36ª rodada

Do lado mineiro, fica a lamentação de ver sua empolgante arrancada rumo ao G4 do Campeonato Brasileiro atrapalhada. O time caminhava para o terceiro triunfo seguido e o quinto em seis jogos. Mas perdeu dois pontos preciosos, que os deixariam bem perto da zona de classificação para a Copa Libertadores, desde que secando os concorrentes diretos.

O Cruzeiro ficou com 52 pontos, em sétimo, quatro atrás do São Paulo, que está em quarto. Entre eles aparecem Santos e Internacional. Se o Tricolor paulista vencer o Corinthians neste domingo, eliminaria a Raposa da disputa. Já o Palmeiras soma 50 pontos, em situação ainda mais complicada na briga por uma vaga no torneio continental.

O gol cruzeirense saiu no primeiro tempo, nos pés do jovem atacante Marcos Vinícius, que vai ganhando confiança e espaço sob o comando de Mano Menzes. O lateral João Pedro falhou feito na hora de tentar interceptar o passe. 

No segundo tempo, o ritmo dos visitantes caiu bastante, enquanto os palmeirenses passavam a avançar com mais vigor em campo, ajudado também pela entrada dos 'titulares' Gabriel Jesus e Lucas Barrios. E coube ao centroavante argentino, naturalizado paraguaio, o gol de empate. Ele ganhou bem a disputa no alto após cruzamento de Egídio, lateral ex-Cruzeiro, pela esquerda:

Após levar o empate, Mano perdeu a cabeça ao reclamar com a arbiragem e acabou expulso, deixando a orientação da equipe mineira para Sidnei Lobo, seu assistente de longa data. O treinador protestava pelo fato de o gol ter saído quando seu time tinha um jogador a menos em campo, com o atacante Willian esperando do lado de fora do campo. 

O curioso é que, minutos depois, Geraldo Doka, que é o massagista do Cruzeiro, também foi expulso. Por quê? Ele estava indo em direção vestiário e voltando ao banco para passar as instruções de Mano.  


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.