Tamanho do texto

Ídolo do futebol holandês tenta se recuperar de um câncer no pulmão. "É preciso enfrentá-lo", disse o ex-jogador

O ex-jogador holandês Johan Cruyff
Arquivo
O ex-jogador holandês Johan Cruyff

Maior ídolo do futebol holandês, o ex-jogador Johan Cruyff apareceu em público pela primeira vez nesta quinta-feira após a notícia de que sofre de um câncer de pulmão , "uma batalha que tenho certeza que irei vencer".

Cruyff participou da apresentação do acordo assinado entre sua fundação e a Universidade Autônoma de Barcelona, e aproveitou para explicar como está evoluindo o tratamento para superar a doença.

"O tratamento já começou e agora estou mais forte do que antes", afirmou o ídolo do futebol holandês, acrescentando que tem "toda confiança na equipe excepcionalmente boa de médicos" que o atende para que "tudo ocorra bem".

Leia: Holanda caça autor de cartaz anti-semita em noite de homenagens a Cruyff

Principal nome do "carrossel holandês" que encantou o futebol na Copa do Mundo de 1974, Cruyff agradeceu o carinho recebido por parte de jogadores, dirigentes e torcedores de todo mundo desde a divulgação da notícia sobre sua doença.

"Com todo o afeto que recebi, é como se tivesse com minhas forças dobradas", afirmou Cruyff, inclusive brincando com a quimioterapia que já começou a se submeter. "O que estão introduzindo no meu corpo é como um amigo, porque é para vencer o câncer".

"Quando te dizem que você tem câncer, não há escapatória. É preciso enfrentá-lo da melhor maneira que você puder. Tenho uma equipe de médicos de alta qualidade", afirmou Cruyff.

O ex-jogador aproveitou para falar brevemente sobre o clássico entre Barcelona e Real Madrid do próximo sábado, uma partida que espera que seja "uma grande festa".

Cruyff, que foi técnico do Barcelona entre 1988 e 1996, deu as declarações na apresentação do acordo entre a Johan Cruyff Institute e a UAB, que criará um mestrado em gestão esportiva, uma pesquisa no âmbito da integração trabalhista entre atletas e permitirá cooperar no apoio às pessoas incapacitadas.

"É um dia muito feliz após um trabalho de 15 anos, porque o esporte é uma das coisas básicas para o corpo. Portanto, precisa de gente com a personalidade de um atleta", destacou.

Depois da assinatura do acordo, Cruyff recebeu o prêmio anualmente entregue pela Associação de Amigos da UAB e o Conselho Social da universidade.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas