Tamanho do texto

Bicampeão brasileiro fazia temporada para ser esquecida até a chegada do técnico. Só o Corinthians tem sequência melhor

Mano Menezes comemora gol de Willians na vitória sobre o Sport
Fred Magno/Light Press/Cruzeiro
Mano Menezes comemora gol de Willians na vitória sobre o Sport

O Cruzeiro terminou o primeiro turno do Brasileirão na 14ª posição. Tinha apenas três pontos acima do primeiro time da zona de rebaixamento. Fazia campeonato sofrível para um bicampeão brasileiro e tinha como meta exclusiva para o restante da temporada a fuga do Z4. Foi quando contratou Mano Menezes e sua sorte mudou. 

A vitória sobre o Sport no domingo, em partida que abriu a 35ª rodada do Brasileirão, deixou a equipe em oitavo na tabela a três pontos do G4 e 17 acima da zona de rebaixamento. A realidade cruzeirense é outra. E o trabalho de Mano nos 13 jogos em que comandou o Cruzeiro explica a mudança.

Veja a classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias do Campeonato Brasileiro

Seu retrospecto é de sete vitórias, cinco empates e apenas uma derrota (para o Flamengo em seu terceiro jogo). Já são 11 jogos sem perder. O aproveitamento de 66,6% é melhor do que do vice-líder Atlético-MG. Nas últimas 10 rodadas somou 22 pontos, mesmo número (ainda que com um jogo a menos) do virtual campeão brasileiro de 2015, o Corinthians. 

Veja os gols da vitória do Cruzeiro sobre o Sport em vídeo do Fox Sports

O Cruzeiro faz até aqui a quarta melhor campanha do segundo turno. Fica atrás apenas de Corinthians, Atlético-MG e Santos. Não dá para negar a mudança do destino azul.

“Sempre que você faz o resultado, na comparação com os seus adversários, aumenta a pressão para o outro lado. É bom sentir um gostinho de um oitavo lugar, mesmo que seja temporário até quarta-feira porque os outros ainda vão jogar”, comentou o treinador com cautela. 

A possibilidade de o Cruzeiro conseguir uma vaga na próxima Libertadores ainda é pequena matematicamente, mas se vencer seus próximos três jogos o sonho será ainda mais possível. Enfrenta Palmeiras (fora), Joinville (casa) e Inter (fora), este um rival direto pela vaga. 

Time do Cruzeiro posado antes do jogo contra o Sport. Com o mesmo elenco, nova realidade
Fred Magno/Light Press/Cruzeiro
Time do Cruzeiro posado antes do jogo contra o Sport. Com o mesmo elenco, nova realidade

“A matemática possível para hoje era de obter 51 pontos e nós fizemos o possível para chegar em 51. No próximo jogo, teremos outra matemática e vamos tentar fazer o melhor. Mas entendo o torcedor e o sentimento dele, que o traz para o estádio para ver o Cruzeiro jogar. Com 11 jogos de invencibilidade, e não à toa. Queremos oferecer esses resultados para confraternizar com eles”, disse Mano.

De acordo com o Departamento de Matemática da UFMG, que tem um núcleo de estudos de probabilidades no futebol, as chances de o Cruzeiro conseguir uma vaga na Libertadores é de 2,3%.

Vale lembrar que o Santos, quarto colocado com 54 pontos, está na final da Copa do Brasil e, se for campeão e mantiver sua posição no Brasileirão, o quinto colocado do campeonato também vai para a Libertadores 2016. Neste momento, o São Paulo se beneficiaria da regra com seus 53 pontos. Quinta-feira, o cruzeirense não vai lamentar se o Atlético-MG tirar pontos do rival do Morumbi. 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas