Tamanho do texto

O último jogo oficial aconteceu em 2009. Desde então, o "Superclássico das Américas" foi banalizado; troféu que não evitou a demissão de técnico e partida suspeita de propina

Luís Fabiano marcou duas vezes na vitória por 3 a 1, em Rosário, pelas eliminatórias da Copa da África do Sul. Foi a primeira vitória brasileira na Argentina pelo torneio
Arquivo/iG
Luís Fabiano marcou duas vezes na vitória por 3 a 1, em Rosário, pelas eliminatórias da Copa da África do Sul. Foi a primeira vitória brasileira na Argentina pelo torneio

Depois de seis anos, Argentina e Brasil voltam a se enfrentar por uma partida de futebol que vale alguma coisa. No caso, uma vaga na Copa do Mundo da Rússia 2018. Sim, esta é apenas a terceira rodada das eliminatórias sul-americanas. Mas, numa disputa que promete muito equilíbrio e de pontos corridos, cada jogo tem grande relevância. Uma importância seguramente maior que a do torneio amistoso que suas confederações tentaram tanto validar, com status de grande competição, mas que não mexeu com muita gente – o famigerado Superclássico das Américas.

Tanto essa competição renasceu irrelevante que, mesmo depois de uma ‘conquista’, em 2012, a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) optou pela demissão de seu treinador à época, Mano Menezes. Foi no dia 21 de novembro, em La Bombonera, com os argentinos vencendo no tempo regulamentar, mas sendo superados na disputa de pênaltis, após dois placares de 2 a 1.

Dentre todos os jogadores escalados àquela ocasião, apenas Neymar está relacionado para o jogo desta quinta, também em Buenos Aires. O atacante ainda defendia o Santos. Lionel Messi? Havia entrado em campo precisamente na véspera, ajudando o Barcelona a vencer o Spartak de Moscou, na Rússia, garantindo o clube catalão nas oitavas de final da Champions League.

Lembrando que, três anos atrás, tanto Mano como Alejandro Sabella estavam limitados a convocar apenas atletas que estivessem jogando dentro da fronteira de ambos os países, o  que proporcionou escalações pouco usuais. O Brasil tinha Réver e Durval na zaga, com Lucas (hoje do Palmeiras) e Fábio Santos nas laterais. Do outro lado, renegados como Walter Montillo e Hernán Barcos enfim ganhavam uma chance de jogar por sua seleção.

Superclássico das Américas, Argentina x Brasil,teve o jogo de volta adiado por falta de luz elétrica
AFP
Superclássico das Américas, Argentina x Brasil,teve o jogo de volta adiado por falta de luz elétrica

Que Mano tenha caído depois de uma partida contra a Albiceleste não chega a ser uma coincidência já que, sob sua gestão, o Brasil teve overdose deste confronto em específico. O atual comandante do Cruzeiro dirigiu a seleção em nada menos que seis partidas contra os “hermanos”, entre o dia 17 de novembro de 2010 e o jogo acima citado. Seu saldo foi de duas vitórias, três derrotas e um empate. Os dois triunfos foram pelo Superclássico.

Com Luiz Felipe Scolari, a seleção enfrentou adversários de respeito como França, Itália e Inglaterra em amistosos, mas ao menos conseguiu evitar o duelo sul-americano. Já Dunga, de volta, enfrentou a Argentina uma vez, em outubro do ano passado, vencendo por 2 a 0, com gols de Diego Tardelli.

Essa partida foi disputada em Pequim, com todas as estrelas envolvidas, e ainda sob a alcunha de Superclássico. A localização geográfica dos jogos também não ajudou em nada para que tivessem um clima que se espera. East Rutherford, em Nova Jersey, e Doha também foram sede.

Messi comemora gol no Superclássico disputado em Doha
Mowa Press
Messi comemora gol no Superclássico disputado em Doha

A partida realizada na capital do Catar, vencida pela Argentina com gol de Messi no último minuto, aliás, está sendo investigada pelo Ministério Público da Suíça. A suspeita é de que ela tenha sido um mero conduíte para o pagamento de propina a Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, e Julio Grondona, ex-presidente da AFA, morto em 2014. Ambos também ocupavam cargos na cúpula da Fifa. Os árabes, que foram premiados com a sede da Copa do Mundo de 2022, teriam pago 4 milhões de euros pelo amistoso.

O último jogo oficial disputado por Brasil e Argentina foi justamente pelas eliminatórias para a Copa do Mundo, a de 2010. O jogo foi disputado no dia 5 de setembro de 2009, em Rosario, com Dunga no banco de reservas para liderar uma vitória por 3 a 1.

Daquelas escalações, apenas Daniel Alves, Miranda e Kaká estão na seleção atual, enquanto os anfitriões terão Nicolás Otamendi e Javier Mascherano – sendo que Carlos Tevez, Sergio Aguero e Lionel Messi afastados por lesão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.