Tamanho do texto

Repescagem do principal torneio de seleções da Europa terá clássico, a presença de grandes nomes do futebol europeu e até ex-jogador do Corinthians na disputa

Começa nesta quinta-feira, com o confronto entre Noruega e Hungria, em Oslo, na Noruega, a Repescagem da Eurocopa de 2016, que definirá as quatro últimas equipes que irão disputar o principal torneio de seleções da Europa. Com os primeiros 20 classificados definidos após as eliminatórias , o campeonato será o primeiro a contar com 24 seleções.

Os confrontos desta fase são:
Noruega x Hungria (12/11 e 15/11)
Bósnia x Irlanda (12/11 e 16/11)
Ucrânia x Eslovênia (14/11 e 17/11)
Suécia x Dinamarca (14/11 e 17/11)

E para acompanhar as decisões, o iG lista agora cinco motivos para ficar de olho em tudo que acontece nos confrontos:

1) Clássico Nórdico

Bendtner é o destaque dinamarquês no clássico contra a Suécia
Reuters
Bendtner é o destaque dinamarquês no clássico contra a Suécia

A repescagem da Eurocopa 2016 coloca frente a frente dois rivais separados apenas por uma ponte sobre o estreito de Öresund. Suécia e Dinamarca se enfrentam trazendo de um lado toda classe de Zlatan Ibrahimovic liderando os suecos e do outro uma geração dinamarquesa experiente e liderada pelo letal atacante Nicklas Bendtner.

Historicamente o confronto entre as duas equipes é muito equilibrado, com ligeira vantagem sueca. No total, foram 103 jogos entre as duas seleções, com 45 vitórias da equipe da Suécia, 40 da Dinamarca e 18 empates.

Leia:  Sem chance de Bola de Ouro, Ibra ataca de cantor e ganha disco de ouro

2) Grandes jogadores

Ødegaard, de 16 anos, é o destaque da seleção norueguesa
Trond Tandberg/Getty Images
Ødegaard, de 16 anos, é o destaque da seleção norueguesa

Os confrontos que definem os últimos classificados para a Eurocopa vão colocar em campo grandes nomes do futebol europeu em busca da vaga. Além do sueco Zlatan Ibrahimovic, grande nome desta etapa da competição, a repescagem contará com os dinamarqueses Agger, do Brøndby, Bendtner, do Wolfsburg, e Jacobsen, do Francês Guingamp, o bósnio Dzeko, da Roma, os irlandeses Shay Given, do Stoke City, e O´Shea, do Sunderland, o goleiro esloveno Handanovic, da Inter de Milão, e o destaque norueguês Martin Ødegaard, de 16 anos, que atua pelo Real Madrid.

3) Tem Brasil em campo

Brasileiro Léo de Almeida foi formado no Corinthians e hoje defende a seleção da Hungria
divulgação/seleção hungara
Brasileiro Léo de Almeida foi formado no Corinthians e hoje defende a seleção da Hungria

O futebol brasileiro pode não viver sua melhor fase, mas continua "exportando" jogadores para diversos campeonatos do mundo. Muitos desses atletas acabam se naturalizando e atuam pelo país em que vivem. Os casos mais famosos são de Thiago Alcantara e Diego Costa pela Espanha, de Paulo Rink, Cacau e Kurányi pela Alemanha, Luis Oliveira na Bélgica e de Thiago Motta pela Itália. A repescagem da Euro 2016 traz um caso bem menos conhecido: Leandro de Almeida

Formado no terrão do Corinthians, Léo não teve muitas chances no Brasil (passou também por Londrina e Atlético-PR) e foi parar no futebol húngaro, no qual conseguiu grande destaque, o que fez com que ganhasse chance de jogar pela seleção do país. Meia de origem, o jogador ganhou a confiança do técnico Bernd Stork atuando como lateral-esquerdo. Nesta edição das eliminatórias para a Euro-16, Léo atuou em quatro jogos pela seleção da Hungria e não marcou gols.

Leia: "Ele é um fenômeno", diz Ronaldinho sobre Neymar ao site do Barcelona

4) O possível adeus de Morten Olsen

Capitão da
Handout/Getty Images
Capitão da "Dinamáquina" em 1986 e técnico da seleção desde 2000, Morten Olsen pode se despedir da Dinamarca nesta repescagem


Um dos maiores ídolos do futebol dinamarquês, Morten Olsen, que desde 2000 dirige a seleção local, tendo classificado sua equipe para as Copas de 2002 e 2010, além da Euro de 2004, anúnciou que vai deixar o comando da Dinamarca após a Eurocopa 2016, o que pode acontecer precocemente em caso de eliminação na repescagem.

A história de Olsen com a camisa da seleção começou ainda como jogador em 1979, dando início a melhor geração dinamarquesa de todos os tempos. Com a camisa da seleção, Olsen brilhou nas Euros de 1984, na qual ajudou a equipe a ser semifinalista, e foi capitão na campanha da Copa do Mundo de 1986, na qual os nórdicos chegaram até às oitavas-de-final e tiveram o melhor ataque da competição. Durante a passagem de Morten Olsen na década de 80, a seleção recebeu o apelido de "Dinamáquina".

5) Evitar o "Impensável"

Craque sueco Ibrahimovic considera impensável a Euro acontecer sem ele
Christophe Ena/AP
Craque sueco Ibrahimovic considera impensável a Euro acontecer sem ele


Depois de perder a Copa do Mundo, Ibrahimovic corre risco de ficar fora de um torneio importante pela segunda vez consecutiva. Mesmo com a chance de assistir o torneio pela televisão, a humildade passa longe do jogador sueco que acredita ser impensável o torneio sem sua presença.

"Eu não quero perder a Euro. É improvável e impensável ver este torneio em curso sem mim. Não conseguimos nos classificar pelas eliminatórias e agora vamos enfrentar uma outra maneira de chegar lá. Neste tipo de jogos (playoffs) cada equipe dá 200%, mas eu tenho certeza que vamos nos classificar", afirmou o atacante.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas