Tamanho do texto

Além de comandar a seleção do Uruguai no Mundial no Brasil, zagueiro foi campeão do Espanhol com o Atlético de Madri

Poucos jogadores no mundo podem orgulhar-se tanto do ano de 2014 quanto o zagueiro Diego Godín. O uruguaio foi campeão espanhol pelo Atlético de Madri e disputou a Copa do Mundo na condição de capitão da Celeste. O defensor celebra o gol do título colchonero , mas elege o posto de líder da seleção uruguaia como o principal feito nos últimos meses.

Godin foi o capitão do Uruguai na Copa do Mundo 2014
Julian Finney/Getty Images
Godin foi o capitão do Uruguai na Copa do Mundo 2014

"Sinto um grande orgulho e muita felicidade. É a comprovação que estou em um bom caminho e que o trabalho está dando frutos", comemora Godín ao jornal El País . "Estou em um grande momento, seguramente o melhor de minha carreira, mas quero mais. Quero seguir crescendo, dando o melhor de mim tanto ao Atlético quanto à seleção", projeta.

O zagueiro agradece ao técnico Óscar Tabárez pelo processo natural que resultou em sua escolha como capitão da seleção uruguaia. "É inexplicável o que significa usar a braçadeira de capitão da seleção. É lindo, um grande orgulho, mas também uma grande responsabilidade", reforça. "Continuando como capitão tentarei dar o máximo, tanto dentro quanto fora de campo pelo Uruguai."

Godín assumiu a liderança da Celeste durante a Copa do Mundo realizada no Brasil neste ano. Ele sucedeu Diego Lugano, que lesionou-se na estreia contra a Costa Rica, e usou a braçadeira nos três jogos seguintes, contra Inglaterra, Itália e na eliminação nas oitavas de final frente à Colômbia. Apesar do estilo oposto ao explosivo capitão antecessor, Godín promete a mesma garra ao defender a Celeste.

"Todos somos diferentes e não vou mudar por levar a braçadeira. Cada um tenta liderar de acordo com sua personalidade. Não abro mão da humildade e do companheirismo e, sendo mais um do grupo, jamais diria uma palavra a mais a um companheiro", garante, exaltando a relação com Lugano. "São muitos anos juntos, creio que ele foi me preparando para isso. Como Tabárez disse uma vez, não foi uma decisão tomada no dia que Lugano sofreu a lesão, era algo pensado", finaliza.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.