Tamanho do texto

Uruguaio, que trabalhou no país quando era jogador, fará agora sua estreia como treinador: "É importante para mim"

Apresentado pelo Internacional  no fim da tarde desta terça-feira, o técnico Diego Aguirre sonha alto. De volta ao futebol brasileiro, depois de mais de duas décadas (foi jogador de Inter, São Paulo e Portuguesa), o uruguaio chegou demonstrando muita confiança em sua primeira entrevista coletiva, e afirmou que está pronto para mostrar que técnicos estrangeiros podem fazer sucesso no futebol nacional. O grande objetivo traçado para 2015, claro, é buscar o título da Libertadores.

Após últimas vagas definidas, veja como ficaram os grupos da Copa Libertadores

"Treinar um clube brasileiro é algo muito importante para mim. Aqui tem muita exigência, os treinadores brasileiros também sentem essa pressão, não apenas os estrangeiros. É uma liga muito forte, e eu estou pronto para este grande desafio. Venho para fazer coisas importantes. O Inter é grande, a cobrança é grande, mas estou preparado para isso", garantiu o treinador, que comandou o Peñarol no vice-campeonato da Libertadores de 2011, ocasião em que eliminou o Inter em pleno Beira-Rio.

O técnico Diego Aguirre é apresentado no Internacional
Edu Andrade/Fatopress/Gazeta Press
O técnico Diego Aguirre é apresentado no Internacional


A recusa em voltar ao Peñarol, aliás, nada tem a ver com a negociação envolvendo sua ida para o Inter, assegura Aguirre: "Algumas coisas políticas mudaram no Peñarol, por isso decidi não continuar. Não foi para vir ao Inter, foi uma decisão independente", assegurou o comandante rubro para 2015. "Sei o que significa para o Inter voltar a conquistar a Libertadores. O que posso prometer é que vamos trabalhar muito para isso", completou.

Mercado da bola: veja as transferências que movimentam o futebol brasileiro

Diego Aguirre afirmou que ainda não tratou de reforços com a direção, algo que deve ser feito a partir desta semana. Jogadores de fora do país não serão exatamente uma prioridade: "Se vierem jogadores estrangeiros, têm que vir para jogar. Se vierem, é para fazerem melhor do que um jogador que esteja no time hoje".

Ao fim da coletiva, o técnico foi presenteado pela direção com uma camiseta do Inter com o número 15 às costas - a mesma numeração que Aguirre usou como jogador no Gre-Nal do Século, válido pelas semifinais do Brasileirão de 1988. O uruguaio jogou no Colorado até 1989, ano em que foi o goleador da equipe gaúcha na competição.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.