Tamanho do texto

"O que mais me motiva como técnico é ir para um clube e saber que terei crescimento profissional e pessoal", disse o treinador na sua apresentação oficial no CT Joaquim Grava

"Favela is here". A faixa estendida por Tite no Mundial do Corinthians há exato dois anos no Mundial do Japão demonstra a identificação e a forte relação entre o treinador e o clube paulista. No dia histórico para ambos, o comandante confirmou o seu retorno e falou muito com os jornalistas no CT Joaquim Grava. Esta é a terceira passagem dele no clube, onde contabiliza 272 partidas.

Leia também:  Corinthians completa dois anos do Mundial sonhando voltar às glórias

Tite gesticula durante a entrevista coletiva como novo técnico do Corinthians
Miguel Schincariol/Gazeta Press
Tite gesticula durante a entrevista coletiva como novo técnico do Corinthians

Acompanhado de Ronaldo Ximenes e Edu Gaspar, Tite agradeceu o retorno - após um ano -, falou sobre projetos e contratações e relembrou a conquista em Yokohama, contra o Chelsea.

"O que mais me motiva como técnico é ir para um clube e saber que terei crescimento profissional e pessoal. O atleta quando vislumbra a possibilidade de ir para um clube com chance de crescimento, ele se motiva mais. Daí a entrar numa área financeira, não entro. Não é prerrogativa minha", disse ele.

Apesar de admitir que houve alguns atritos dentro do clube durante a sua segunda passagem, Tite encara a "pausa" como algo virtuoso. "Estou com invencibilidade de um ano (risos). Trabalhos específicos ofensivos, busquei isso. Ficou me batendo. Queria ter uma gama maior de trabalhos ofensivos para passar aos atletas e ser exigente. Mantendo aquela ideia de futebol equilibrado. Entendo dessa forma”.

Sobre o Mundial ele foi direito: "A primeira emoção que me vem é quando estou chegando a Yokohama e a música faz tremer a perna. Queria ficar concentrado no jogo. Eu não podia ver torcedor, ouvir música, tinha de olhar para dentro do campo. Essa é a emoção da coisa. Foi um dos dias mais felizes da minha vida”, afirmou.

Gratidão e coragem

Tite disse ter retornado ao clube por gratidão. De contrato assinado até o fim de 2017, ele admitiu que também conversava com o Internacional, mas preferiu colocar em jogo o seu passado glorioso na agremiação do Parque São Jorge.

Tite participa da entrevista coletiva nesta terça-feira, falando sobre seu retorno ao Corinthians
Miguel Schincariol/Gazeta Press
Tite participa da entrevista coletiva nesta terça-feira, falando sobre seu retorno ao Corinthians

"Era muito fácil, para mim, dizer não ao Corinthians, dizer: ‘Não, outra hora’. Por todos aspectos. Poderia dizer vaidosamente: ‘Lembrem-se de mim pelas últimas conquistas’. Mas também tenho o aspecto coragem. Vou ser cobrado? Vou. Vou dar a minha cara para bater. É o meu jeito", afirmou.

"Eu poderia e teria outras situações, mas o foco para mim é a gratidão a um clube e a uma torcida extraordinária. Foi um clube que me proporcionou receber a pulseirinha de uma garotinha, uma pulseirinha preta e branca. ‘Professor, a gente te espera.’ Ela tinha sete ou oito anos. Não se vou ganhar, mas a mesma conduta eu vou ter", acrescentou.

Campeão do Paulista, do Brasileiro, da Libertadores, da Recopa Sul-americana e do Mundial usando as cores da pulseirinha que exibiu, Tite disse que teve o apoio da família para retornar ao Corinthians. Sua filha acaba de passar no vestibular de uma faculdade de Porto Alegre, o que não foi um problema para o técnico.

Por isso, quando assinou seu contrato na noite de segunda-feira, o gaúcho ligou para dirigentes do Inter. "Avisei: ‘Estou fechando com um clube pelo qual tenho uma gratidão extraordinária e muito recente’. O Papai do Céu olhou para abaixo e disse: ‘Tu não queria uma nova oportunidade?’. Estou abraçando de novo."

É a terceira passagem do comandante pela agremiação alvinegra. Ele se tornará em fevereiro o segundo técnico com mais partidas pelo time, algumas delas extremamente marcantes. A nova "etapa", palavra que utilizou repetidas vezes em sua (re)apresentação oficial, terá a sombra da anterior.

"A gente carrega a sombra daquilo que construiu na nossa vida. Eu tenho toda a felicidade de ter passado por toda essa situação exitosa. Carrego isso, e o Corinthians carrega consigo sua história. Carrego os bons momentos, os ruins e, mais do que isso, a busca de que tudo possa se repetir", concluiu Tite.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.