Tamanho do texto

"No calor do jogo, eu perguntei: ‘Você é racista?’ Ele respondeu: ‘Sou, não gosto de você e não gosto de preto’”, disse o atacante

Hulk em ação pelo Zenit: raciosmo do árbitro
Epsilon/Getty Images
Hulk em ação pelo Zenit: raciosmo do árbitro

O brasileiro Hulk, do Zenit, da Rússia, denunciou neste domingo o que pode ter sido mais um episódio de racismo no futebol. Em entrevista à agência Reuters, o atacante declarou que o árbitro Alexei Matyunin disse a ele que “não gosta de preto”. A ofensa racista teria ocorrido em discussão no segundo tempo da derrota contra o Mordóvia Saransk, no último sábado.

Caso Aranha fica sem julgamento: Falta consciência negra ao Judiciário, diz OAB

“Eu fui falar com o árbitro numa boa, com educação, toquei nele e ele disse, arrogantemente, para eu não encostar nele. Eu pedi para ele se acalmar, mas ele começou a ficar nervoso, e eu, no calor do jogo, perguntei: ‘você é racista?’ Ele respondeu: ‘Sou, não gosto de você e não gosto de preto’”, contou Hulk.

Classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias do Campeonato Russo

O brasileiro bateu boca com o árbitro porque, segundo ele, os adversários estavam enrolando para ganhar tempo e o juiz não estava impedindo. “Houve uma situação em que um jogador estava caído e o árbitro mandou a maca entrar em campo. Mas, quando a maca chegou, o jogador disse que não precisava mais da maca; então o juiz mandou a maca sair e o jogador levantou”, lembrou o atacante.

Racismo no futebol: Brasil debate penas, Itália indica caminho contrário

Esta não foi a primeira vez que Hulk foi vítima de racismo na Rússia. No dia 27 de setembro de 2014, em partida contra o Spartak em São Petesburgo, o brasileiro foi chamado de "macaco" pela torcida visitante. Naquela ocasião, houve punição da Federação Russa, que obrigou o time de Moscou a disputar o jogo seguinte sem torcida e a pagar uma multa.

O atacante ressalta que essas situações ainda acontecem com muita frequência por parte de torcedores, mas se disse surpreso pelas ofensas vindas de um árbitro. “Sempre houve racismo das torcidas adversárias. Isso não é aceitável. Não podemos aceitar racismo de nenhuma forma, mas quando vem da torcida adversária, que quer desconcentrar o jogador, é normal. Mas o árbitro, que deve implementar a lei do jogo, não deveria se envolver nisso”, concluiu Hulk.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.