Tamanho do texto

Depois da goleada sofrida diante da Chapecoense, equipe carioca segue com 57 pontos e ficou a quatro pontos do G4

Cristovão Borges, técnico do Fluminense
Getty Images
Cristovão Borges, técnico do Fluminense

A goleada de 4 a 1 sofrida para a Chapecoense, em pleno Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ), deixou o Fluminense em situação delicada na luta por uma vaga na próxima Copa Libertadores. Estacionado nos 57 pontos, o time passa a ter quatro a menos que o Atlético-MG, que hoje fecha o G4, a zona de acesso para o torneio continental. Apesar disso, o técnico Cristóvão Borges e os jogadores se negam a jogar a toalha e garantem que o time vai lutar ainda para disputar a Libertadores de 2015.

Leia mais: "Triste é ter de ouvir 'olé' da própria torcida", diz Fred após Flu ser goleado

"Eu continuo acreditando na classificação para a Copa Libertadores por conta de tudo aquilo que fizemos ao longo da competição. Demos demonstrações de que podemos ganhar os três jogos restantes e se isso acontecer creio que iremos nos classificar. Enquanto existir chance matematicamente temos que buscar as vitórias e os pontos", disse Cristóvão.

Veja classificação, jogos, notícias e artilharia do Brasileirão

Na visão do volante Edson, enquanto o time tiver chances matemáticas de classificação os jogadores terão que se entregar em campo na busca pelo resultado positivo. O jogador garante que seu foco já está no duelo deste domingo, às 17h (de Brasília), contra o Sport, na Arena Pernambuco, em Recife (PE), pela 36ª rodada da competição. Apesar disso, mesmo com triunfo o time não voltará ao G-4.

"O Fluminense não vai desistir da classificação para a Copa Libertadores, mesmo sabendo que a situação ficou bem mais complicada após essa partida contra a Chapecoense, onde a vitória era o único resultado que interessava ao nosso time. Acredito que se a gente ganhar a partida contra o Sport podemos chegar em uma melhor situação nas duas rodadas finais", disse Edson.

O goleiro Cavalieri pensa de maneira parecida. Para ele um triunfo no próximo domingo, em solo pernambucano, pode mudar completamente o astral do grupo e levar o Tricolor a outro patamar.

"Realmente não está fácil, pois estamos lutando contra adversários que estão conseguindo manter uma grande regularidade, como Corinthians, por exemplo. Mas sabemos que eles podem perder pontos também, existem confrontos que podem acabar sendo positivos para a nossa equipe e precisamos acreditar que ainda é possível conseguirmos essa classificação. O jogo contra o Sport ganhou ainda mais importância e se ganharmos vamos nos recolocar na briga, acredito muito nisso", avisou o arqueiro.

O elenco do Fluminense viajou para Recife já nesta sexta-feira e neste sábado pela manhã acontece um treino no Centro de Treinamento do Náutico, onde Cristóvão Borges vai definir a equipe que vai a campo. O treinador não poderá contar com o zagueiro Guilherme Mattis, que vai ter que cumprir suspensão por ter sido advertido com o terceiro cartão amarelo. Assim, a tendência é que Fabrício seja o substituto, já que Gum, Henrique e Elivelton, em processo de recuperação de lesão, não estão disponíveis ainda.

Fora de campo, após o jogo contra a Chapecoense, o clima entre os dirigentes voltou a ser de preocupação em relação ao próximo ano, pois sem a vaga na Copa Libertadores o investimento para o departamento de futebol será bem reduzido, ainda mais porque a Unimed, principal patrocinadora, não parece mais disposta a colocar altos valores na busca por contratações e no pagamento da folha salarial. A tendência é que alguns dos medalhões, inclusive, procurem outros destinos na próxima temporada.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.