Tamanho do texto

Rivaldo foi denunciado por um carrinho no atacante Barcos e também pelo gesto que fez enquanto deixava o gramado após ser expulso, no qual insinuava "roubo" do árbitro

O volante Rivaldo, do Figueirense , já havia sido expulso na derrota diante do Grêmio, no dia 22 de outubro, por um carrinho no atacante Barcos aos 44 do segundo tempo, mas os problemas não param por aí. O jogador também foi denunciado para o STJD pelo gesto que fez enquanto deixava o gramado após o cartão vermelho, no qual insinuava um "roubo" da arbitragem em favor do time gaúcho.

Confira classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias do Campeonato Brasileiro

O árbitro Vinicius Furlan relatou o caso na súmula, e o atleta será julgado nesta quinta-feira, podendo pegar uma pena de, no mínimo, quatro jogos de suspensão, que podem chegar até 12 em pena máxima. Ou seja, o atleta perderia pelo menos quatro das seis rodadas do restante do Brasileirão.

O jogador será julgado nesta quinta-feira, a partir das 13h, no Rio de Janeiro. Rivaldo foi denunciado com base em dois artigos: a princípio, o 254, pela jogada violenta em Barcos, que pode lhe render punição de um a seis jogos, e o 243-F, por "ofender alguém em sua honra, por fato relacionado diretamente ao desporto", que lhe tiraria de campo de quatro a seis jogos.

Caso seja aplicada a pena mínima nos dois artigos, o gancho seria de cinco partidas, com a redução de uma devido à suspensão automática já cumprida pela expulsão.

Confira o que o árbitro Vinicius Furlan relatou na súmula:

"Expulso de forma direta, por haver dado e atingido seu adversário de número 9, sr. Hernan Barcos, com um carrinho, com uso de força excessiva, atingindo as pernas de seu adversário com a sola de seus pés, na disputa da bola. Informo ainda que, ao sair de campo, o sr. Rivaldo Barbosa de Souza fez, repetidas vezes, o gesto com uma mão aberta e a outra na frente desta, em movimento, sinalizando que a arbitragem estava roubando. Ele, durante os gestos, disse as seguintes palavras: ‘roubo, roubo, roubo’."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.