Tamanho do texto

Meia usa metáfora para explicar que não importa sua função no função em campo. O importante é "desfilar" sempre

Renato Augusto superou os problemas físicos enfrentados no início do Campeonato Brasileiro e vive um de seus melhores momentos no Corinthians do ponto de vista da preparação. Sua condição permite executar várias funções em campo - o meia tem atuado no ataque -, e ele espera se manter assim até o final do ano.

Veja a classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias do Campeonato Brasileiro

"Eu sempre fui muito de escola de samba. Não importa onde na bateria, quero é desfilar. Não sei se no tamborim ou no surdo, mas quero estar lá. Estou conseguindo jogar, ajudar a equipe, fazer outras funções em um nível alto. Isso tem me agradado bastante", afirmou.

O carioca - que já teve a oportunidade de tocar repique no Palácio do Samba, a quadra da Mangueira - está mais no tamborim, na parte da frente da bateria alvinegra. É um pedido de Mano Menezes, com problemas no ataque, mas Renato prefere o surdo, o instrumento que dá ritmo à escola.

"Minha posição é meia, deixo bem claro isso. Faço outras funções, mas sou meia centralizado, é como gosto de jogar. Também posso jogar aberto ou na frente, mas sou meia, é ali que prefiro jogar. Mas, precisando, jogo no ataque", afirmou o camisa 8, adiantado especialmente por causa da ausência recente do centroavante Guerrero.

"Às vezes, você tem que abrir mão da sua posição, do que tem de melhor para oferecer tecnicamente, e passar a oferecer taticamente. Se o Mano precisar que faça de novo um homem à frente, vou estar lá para ajudar. Vou estar disposto a ajudar a equipe, pensar no grupo. É o que estou fazendo", acrescentou.

Sem se fazer de surdo às orientações do mestre, Renato Augusto tem feito bem o seu papel na frente, sem a responsabilidade de cadenciar o Corinthians. Ele só não vem balançando a rede - são quatro gols no ano, nenhum deles no Brasileiro -, porém tem esperança de marcar um decisivo, possivelmente o da classificação à Copa Libertadores.

"Tenho até bastante assistência no ano. Para um meia, é como se fosse um gol, isso me agrada. Mas é claro que, quando a bola entrar, vou ficar muito feliz", comentou o atleta, à procura da batida perfeita. "Nunca fui de fazer muito gol na carreira, mas sempre fiz gols decisivos."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.