Tamanho do texto

Atacante do Botafogo explicou nesta quinta por que chamou a CBF de "vergonha" após ser expulso no jogo contra o Bahia

Emerson Sheik critica a CBF olhando para a câmera de TV após ser expulso
Buda Mendes/Getty Images
Emerson Sheik critica a CBF olhando para a câmera de TV após ser expulso

Um dia após dizer que a CBF "é uma vergonha" olhando para uma câmera de TV enquanto deixava o campo ao ser expulso na partida entre Botafogo e Bahia, o atacante Emerson Sheik concedeu uma entrevista coletiva nesta quinta-feira, na sala de imprensa do Engenhão. O jogador, além de explicar por que fez o desabafo contra a entidade que rege o futebol, apontou outro motivo que o fez perder a cabeça no Maracanã. 

"A vergonha é coletiva, é de todos os atletas, é do torcedor que vai ao estádio, que vê uma arbitragem incapaz'', afirmou Sheik, consciente de que suas opiniões podem lhe render algum tipo de punição na Justiça Desportiva .

Por conta das consequências de seu ato, Sheik questionou por que os jogadores de futebol não têm direito de expressar o que sentem. "Não sei por que a gente não pode desabafar, não podemos dar nossa opinião sobre a CBF... Vocês aqui (jornalistas), canso de ver vocês na TV fazendo críticas à  CBF, muito mais pesadas do que a que fiz ontem.''

Confira abaixo os principais trechos da coletiva de Emerson Sheik:

Perseguição ao Botafogo?

"Eu não acredito em lance de perseguição, acredito mesmo na incompetância. É animador saber que o presidente da CBF está insatisfeito com a arbitragem do Brasileirão. Quanto às medidas, espero que exista... Que a arbitragem seja profissional como nós, que acordamos cedo e vamos para os clubes trabalhar, e que no fim de semana estamos disputando partidas de futebol.''

O nível da arbitragem no Brasil

"A esperança nossa enquanto atleta é que a CBF se posicione a fim de profissionalizar a arbitragem. É inadmissível, enquanto o atleta está em seu clube, trabalhando, alguns árbitros estão dentro de salas, escritórios, resolvendo outros tipos de problemas. A esperança dos atletas é que a CBF se posicione a fim de profissionalizar isso, para que esses erros que se tornaram constantes, principalmente neste ano, não se repitam. Que o futebol brasileiro possa viver outros momentos de glória, como foi no passado. São erros que vêm acontecendo há muito tempo. o atleta tem todo o direito de se manifestar. Talvez o momento, dentro de uma partida, de um estádio, não seja o lugar exato para se manifestar como eu fiz, mas os atletas têm, sim, de opinar."

A frase "CBF, você é uma vergonha!"

Emerson Sheik foi expulso na derrota do Botafogo diante do Bahia
Getty Images
Emerson Sheik foi expulso na derrota do Botafogo diante do Bahia

"Naturalmente nos calor da partida, adrenalina a milhão, o desabafo, da maneira como você coloca, ele se torna mais agressivo até pelo calor do momento. A vergonha é coletiva, é de todos os atletas, é do torcedor que vai ao estádio, que vê uma arbitragem incapaz. Nem nas peladas de Nova Iguaçu do meu irmão no fim de semana teria condições de apitar. Não são profissionais, então não deveriam estar lá. A vergonha é em relação a isso. Estar aqui trabalhando, assim como outros atletas, enquanto os caras estão no escritório, outros nem trabalham.. A vida deles (árbitros) não é só o futebol."

Nove jogos no Brasileirão, nove cartões. Mereceu receber as punições?

"Acho que sim, alguns destes talvez eu tenha merecido. Por outro lado, não querendo ser diferente de ninguém, sou um atleta que dou trabalho, que quando entro para dispuar uma partida quero vencer, dar o meu melhor. Resumindo a pergunta: acho que alguns destes cartões eu mereci, mas a arbitragem já vem com um pensamento diferente para alguns atletas dentro do futebol nacional. Atletas esses que se destacam de uma maneira diferente dos outros. Cada um tem o seu perfil, competindo mais... A arbitragem às vezes está individualizando alguns atletas, isso é prejudicial."

Exagero na reação

"Porra, daí tem que ir para a igreja. Vai praticar outro esporte, se não falar um 'porra', um 'foda-se' dentro de campo, como vai fazer? Tem momentos que não é ofensa, não está agredindo o cara. Todo mundo fala 'porra' aqui, né? Às vezes você não está agredindo outra pessoa, é força de expressão. Momentos de descontentamento, é lógico que você perde um pouco do controle, mas para cada ação tem uma reação. Está certo? Não, mas se for botar na balança, vamos ficar aqui a semana inteira conversando. Ontem, por exemplo, na minha expulsão... A única coisa que eu vi, retornando para casa, foi a minha expulsão. Porque o primeiro cartão amarelo que eu recebi foi um absurdo, ele inverteu tudo e deu o cartão para mim. Revendo o lance com o Welinton (do Bahia), não vi se realmente toquei na coxa dele, mas no lance em que fui expulso o árbitro nem estava olhando para a jogada. E ele ainda me expulsou, para você vê como está...''

Liberdade de expressão

"Uma coisa é muito clara para mim, desde moleque sempre fui apaixonado pelo o que faço. Meu sonho era ser atleta profissional. É muito triste hoje ver o que eu mais sonhei, em toda a minha vida, dos meus próprios filhos, que sonham ser jogadores, é triste ver tudo isso o que está acontecendo... É ver que há uma rejeição em relação a nós, atletas, quando abrimos a boca para opinar. Não sei por que a gente não pode desabafar, não podemos dar nossa opinião sobre a CBF... Vocês aqui, canso de ver vocês na TV, fazendo críticas à CBF, muito mais pesadas do que a que fiz ontem. A gente não pode falar? Por que o atleta não pode falar? Vergonha, ignorância, é querer punir um atleta porque ele se manifestou, deu a sua opinião, isso sim é ignorância. Em nenhum momento quis ser polêmico, só falei o que acho. O que acho é o que muitos acham, mas poucos têm a coragem para falar. Eu falo."

Árbitro relata ofensas de Emerson Sheik: "Safado, sem vergonha, seu m..."

Risco de punição

"Eu não posso desabafar? É proibido dar minha opinião? Vivo isso diariamente. O futebol existe pelos jogadores. Se os jogadores não puderem participar, está tudo errado. Em relação à denúncia, ao gancho, não cabe ao Emerson falar. Tem o Botafogo aqui que certamente vai se posicionar no momento certo, se for preciso."

Jogador do Bahia acusando Sheik de maldade em lance da expulsão

"Eu não sou violento. Sou muto competitivo. Não gosto de perder duelos individuais, me movimento muito. Enfim, mas vale lembrar também que os que vocês cobrem, o futebol, é um esporte de contato, e os choques acontecem."

Jogador-problema?

''Se fosse problema... Na moral, se eu fosse presidente de clube, eu me contrataria. Não tenho intenção de ser polêmico. Eu tenho um perfil diferente e vejo isso. Não estou querendo me exaltar com isso, mas vejo que tenho pefil diferente de alguns atletas. Falo o que penso, mas de maneira polida. Eu posso ter me exaltado ontem? Sim, posso, mas não fecho os olhos e saio falando qualquer coisa, penso no que falo... Não porque o João, o Fernando e a Maria falou. Sei o que estou falando. Se alguém aqui discorda da arbitragem, por favor, se manifeste. Não falei nada demais? O que pedi é para que a CBF profissionalize a arbitragem do nosso futebol. Os dirigentes, quando iniciam uma temporada, fazem um planejamento para o ano inteiro. Esse planejamento é visando conquistas, vitórias. Daí um cara, que não tem nada a ver com o nosso meio, consegue estragar o sonho de profissionais, de pessoas que diariamente vêm aos clubes para trabalhar, gente que não tem nada a ver com o nosso mundo. Eu saio da minha casa, domingo, e vou lá apitar um jogo no Maracanã... Domingo de manhã estamos concentrados. Sábado tem treino às 9h. Só largamos o clube quando acaba o jogo. Isso é profissionalismo, ninguém vai ao shopping, sai com a família."

Hora de mudança

''Ontem eu falei com o (goleiro do Bahia Marcelo) Lomba, ele falou: 'Emerson, para de falar. Tudo isso virá contra você.' Eu responhdi: 'Se nós não nos manifestarmos, quem vai fazer? Vamos esperar por quem?' Com todo o respeito? Vamos esperar pelo presidente da CBF? Quem é que vai consertar tudo isso? Aqui não é um cara que está querendo aparecer, não... Gostaria de ver nosso futebol respeitado. Voltar a ser admirado fora do nosso país. Podem me punir, falar que sou polêmico, encher uma sala para qualquer coisa que eu possa vir falar futuramente, mas gosto muito de futebol. Ele me tirou de uma condição de vida que não desejo a ninguém. O que eu puder fazer para que tudo volte a ser como antes, mesmo que seja pequenininho, vou fazer minha parte... Quem quiser ajudar, seja bem-vindo, quem não quiser, tudo bem.''

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.