Tamanho do texto

Atacante brasileiro conversou com seu algoz na Copa, mas apanhou bastante dos outros adversários no amistoso

Neymar cumprimenta Zuñiga antes do amistoso
Mowa Press
Neymar cumprimenta Zuñiga antes do amistoso

O fato de ter cumprimentado amigavelmente Zúñiga antes do amistoso entre Brasil e Colômbia, na noite desta sexta-feira, não significa que o atacante Neymar tenha relevado o estilo de jogo da Colômbia do técnico argentino José Pékerman. Após marcar o gol da vitória brasileira por 1 a 0 , em Miami, o jogador do Barcelona voltou a chiar.

"A seleção colombiana está sempre batendo um pouquinho a mais. É por isso que tenho de ficar esperto", comentou Neymar, apesar de bem-humorado.

No início do segundo tempo, uma falta sofrida pelo atacante foi decisiva para a vitória do Brasil. Cuadrado acabou expulso por derrubar Neymar perto da área. Mais tarde, o capitão de Dunga voltou a ser vítima de entradas violentas - a mais ríspida delas partiu de Teófilo Gutiérrez.

Com Zúñiga, no entanto, está tudo certo. "Ele pediu desculpas e me disse que jamais teve a intenção de me machucar. Desejou-me um bom jogo", contou Neymar, que acabou fora da Copa do Mundo depois de uma joelhada do lateral direito do Napoli, nas quartas de final.

Capitão e autor do gol da vitória, Neymar prefere exaltar o grupo

A Seleção Brasileira tem um novo treinador, mas o seu principal jogador ainda é o mesmo. Na reestreia de Dunga, o atacante Neymar ostentou a braçadeira de capitão e garantiu a vitória por 1 a 0 sobre a Colômbia com um gol de falta. E, como nos tempos de Felipão, preferiu valorizar os seus companheiros.

"Essa Seleção não é só de um jogador, de um nome. É a Seleção Brasileira, com 11 jogadores e os demais que estão no elenco. É a força do grupo que faz com que conquistemos as vitórias, mesmo no sufoco", discursou.

De qualquer forma, Neymar não conseguiu esconder a sua alegria por capitanear o Brasil. "É uma coisa nova para mim, uma responsabilidade muito grande. Fico feliz pela confiança do treinador, da comissão e da equipe inteira", sorriu.

Mesmo quando o assunto é a braçadeira, no entanto, o atacante do Barcelona adota o cuidado de não ser individualista. "Não é porque sou o capitão que só eu falo. São onze jogadores dentro de campo, e todos têm o direito de se manifestar, de escutar, de entender. É um grupo", repetiu Neymar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.