Tamanho do texto

Em um mês, rivais se enfrentaram duas vezes pela Copa do Brasil. Gilson Kleina é o terceiro técnico do Bahia no período

Gilson Kleina estreia no comando do Bahia contra o Corinthians
Divulgação/Bahia
Gilson Kleina estreia no comando do Bahia contra o Corinthians

Há menos de um mês, o Corinthians enfrentou o Bahia pela Copa do Brasil, em Itaquera, e derrotou o adversário dirigido por Marquinhos Santos por 3 a 0. Na partida de volta, faz uma semana e meia, em Salvador, o rival triunfou por 1 a 0 comandado interinamente por Charles. Neste sábado, o técnico tricolor será outro.

Veja a classificação completa, tabela de jogos, artilharia e notícias do Brasileirão

Apesar dos bons resultados do interino, o Bahia optou pela contratação de Gilson Kleina. O ex-treinador do Palmeiras assumiu a equipe na quinta-feira e, ainda que tenha deixado os treinamentos a cargo de Charles, fará a sua estreia no banco de reservas em Itaquera, pelo Campeonato Brasileiro.

"É obvio que o técnico chega e acrescenta alguma coisa, por mais curto que seja o trabalho. A gente sabe disso e se prepara dentro do possível para enfrentar a filosofia do técnico que está chegando. Ele monitorou os treinos, e o Bahia terá certamente algo daquilo que ele pensa", afirmou o treinador do Corinthians, Mano Menezes.

Pelas características diferentes de cada um dos três confrontos seguidos entre as equipes, o comandante alvinegro acha possível surpreender, motivo pelo qual fechou o treino de sexta-feira. As mudanças do lado baiano e a disputa em uma competição diferente tornam o embate de sábado particular.

"Nós podemos (apresentar novidades), o Bahia também pode. É possível, inclusive com os mesmos jogadores, ter um sistema diferente. A tática do jogo você escolhe exatamente com base no momento. Às vezes, está mais propícia para um jeito; às vezes, para outro. Mas isso são questões de jogo, não se fala."

A formação do Corinthians não será diferente do 4-4-2 com meias abertos que vem sendo adotado. O que pode mudar é a posição das linhas de marcação, altas e agressivas na vitória por 3 a 0, mais baixas e menos organizadas na derrota por 1 a 0. O mais provável é que a estratégia se aproxime da utilizada em Itaquera.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.