Tamanho do texto

Líder do Bom Senso FC, zagueiro diz que medida beneficiará somente os dirigentes e que eles é quem deveriam entrar com uma faixa no gramado apoiando a lei, não os jogadores

O zagueiro Paulo André usou seu perfil no Facebook para criticar a atitude dos jogadores
Léo Pinheiro/Futura Press
O zagueiro Paulo André usou seu perfil no Facebook para criticar a atitude dos jogadores

O zagueiro Paulo André utilizou sua página no Facebook nesta sexta-feira para criticar a atitude dos jogadores do Vasco , que entraram no gramado para enfrentar a Ponte Preta na última quarta-feira com uma faixa em apoio à nova Lei de Responsabilidade Fiscal, que tramita no Congresso Nacional e estabelece, entre outros pontos, a renegociação das dívidas dos clubes brasileiros com a União.

"Eu vou morrer e não vou ver tudo, fato. A CBF não cessará de me surpreender, outro fato. Mas confesso que no último mês foi exagerado, uma trapalhada atrás da outra e com direito a grand finale, Paysandu e Brasília, justiça comum, brilhante. Roteiro adaptado, diga-se de passagem. Se quisermos que o caos continue, basta não fazer nada diferente. Fiquemos calados às agressões ao André Santos e ao Max Biancucchi. Entremos mais vezes em campo com uma faixa dizendo que estamos com 5 meses de direito de imagem e 2 meses de salário atrasados, como fizeram os jogadores do Botafogo no último domingo. Ou melhor, entremos com uma faixa dizendo que somos a favor da Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte, como fizeram os jogadores do Vasco na noite de quarta-feira. E assim teremos a certeza de que nada, absolutamente nada, irá mudar".

Principal líder do movimento Bom Senso F.C, que pleiteia melhorias como maior tempo de férias, fair play financeiro e menos jogos durante a temporada, Paulo André chamou os jogadores do Vasco de "inocentes". "Meus companheiros de profissão, com todo respeito, é hora de deixarmos de ser inocentes úteis. Chegamos ao cúmulo da inconsciência e da exploração. Tudo nos parece normal, rotineiro, inerente ao meio em que vivemos. Dizemos uns aos outros: ‘Ah, deixa pra lá, sempre foi assim...’ E alguns cartolas, por sua vez, chegaram ao limite da malandragem, da lei de Gerson - em que cada um tenta tirar o maior proveito da situação sem se importar com o resto das pessoas à sua volta ou com a sociedade em que vive"

Vivendo atualmente na China, onde defende o Shanghai Shenhua, Paulo André ainda aproveitou para fazer uma sugestão inusitada aos presidentes de Vasco e Botafogo.

"Por isso mandei mensagens para o Bolívar, Sheik, Douglas e André Rocha e tentei explicar o que está acontecendo. Avisei os atletas que escreveria este texto, pedi autorização para citá-los e sugeri a eles que pedissem ao Dinamite (Roberto, presidente do Vasco), ao Assumpção (Maurício, presidente do Botafogo) e aos demais cartolas que entrassem em campo, eles próprios, empunhando as faixas, já que a LRFE (Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte) só beneficiará os dirigentes de clubes de futebol, livrando-os de possíveis ações civis e criminais - aos que cometeram infrações ou irregularidades em suas gestões, claro - e liberando verba (retida pela Receita) para que a gastança dos clubes continue sem controle", completou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.