Tamanho do texto

Zagueiro levou o cartão vermelho ainda no primeiro tempo no tropeço em casa diante do Vitória, neste sábado

Em dois minutos, o Criciúma sofreu quatro cartões amarelos. Dois deles para o zagueiro Escudero, que acabou desfalcando a equipe ainda no primeiro tempo. Com a desvantagem numérica, o Tricolor catarinense se tornou uma presa fácil para o Vitória, que construiu seu segundo triunfo no Campeonato Brasileiro da Série A, impondo o placar de 3 a 1 .

Após a surpreendente derrota, o técnico Wagner Lopes atribuiu o mau desempenho dentro das quatro linhas à exclusão do defensor argentino, que também provocou uma substituição. Aos 39 minutos, o centroavante Danilo Alves acabou sacrificado, para a entrada do zagueiro Ronaldo Alves, que passou a formar dupla com Fábio Ferreira.

Veja como está a classificação do Campeonato Brasileiro

"Sabíamos que era um jogo equilibrado, dificílimo, podendo ser determinado por uma única falha. O Vitória é um time bem armado taticamente, mas entendo a expulsão do Escudero como um divisor de águas. Com a saída dele, acabei sacando o Danilo Alves, que não entrou bem. Julguei que teríamos mais chance se tirasse a referência ofensiva, pois não podíamos abdicar de explorar as laterais. Sem infiltração pelas beiradas, não conseguiríamos chegar a gol", expôs o técnico.

Lopes ressaltou que pensou em tirar um dos volantes, mas mostrou-se seguro com a posição tomada e exaltou a entrega de seus comandados no setor de contensão. "Claro que veio à tona tirar João Vítor ou Serginho, mas eu perderia a saída rápida, além de força na marcação. Os dois foram guerreiros e batalharam bastante. Infelizmente, hoje nada funcionou para nós, mas os méritos são do Vitória", finalizou.

Quando questionado sobre os tentos sofridos, Lopes foi detalhista e explicou cada lance. "Tomamos o primeiro gol por falha de posicionamento, após um passe desviado do Richarlyson. Tivemos dificuldade para encurtar o espaço do Vitória durante o jogo todo e esse lance foi um reflexo disto. Já no segundo, deixaram um jogador desviar na primeira trave e não houve marcação individual até o fim no Caio (autor do gol). Já o terceiro, foi uma cobrança de falta. Não tenho muito o que falar dele. Porém, os erros são experiência. Vamos trabalhar em cima deles durante a semana, para que não ocorra de novo. Quando conseguíamos desarmar o Vitória, não fazíamos a bola rodar. E quando criamos boas chances, não tivemos competência para marcar. Essa é a verdade. Infelizmente, nada funcionou hoje. Dias assim existem e não podem nos abater na sequência do campeonato. O planejamento segue sério e permanecerá assim", explicou.

O próximo compromisso do Criciúma será no sábado, às 18h30 (de Brasília), diante do São Paulo, no Morumbi. A equipe carvoeira figura na metade inferior da tabela, com 11 somados.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas