Tamanho do texto

Técnico do Corinthians elogia argentino Gareca e lembra piada com gaúchos e sul-americanos, mas diz que bom mesmo é manter as tradições do futebol jogado no Brasil

O Palmeiras tem um técnico argentino, prováveis dois jogadores titulares do mesmo país e outros quatro estrangeiros da América do Sul em seu elenco. O provável ataque do Corinthians será formado pelo paraguaio Romero e pelo peruano Guerrero. Mas Mano Menezes espera um futebol de características brasileiras no primeiro clássico jogado em Itaquera, às 16h deste domingo, pelo Brasileirão.

"A tradição dos clubes é muito mais forte do que a ideia de um técnico de futebol", afirmou o comandante alvinegro. "Não vi o Palmeiras fugindo da normalidade. As equipes argentinas também jogam futebol. Não acredito que o Palmeiras vá ser diferente de uma equipe brasileira porque o (Ricardo) Gareca chegou e tem sua maneira de ver futebol."

Confira classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias do Campeonato Brasileiro

Mano Menezses comanda treino do Corinthians
Mauor Horita/ Agif/Gazeta Press
Mano Menezses comanda treino do Corinthians

Essa maneira de ver futebol é até cara a Mano. "Os gaúchos têm uma simpatia pelo povo da América do Sul. Somos até gozados por isso, dizem que nosso sonho era pertencer a eles. Mas não é, não. A gente gosta de ser do Brasil", sorriu o técnico, cujas equipes são frequentemente - por vezes, de maneira injusta - vistas como pouco afeitas ao estilo brasileiro.

Leia mais: Mano treina com Romero no ataque, mas observa alternativas

Um dos fatores que agrada o treinador entre sul-americanos é a obediência tática. Para ele, a chegada crescente de estrangeiros do continente no Campeonato Brasileiro trará essa característica. Ela é considerada importante pelo ex-técnico da seleção justamente para limitar a criatividade dos representantes do país do futebol. No Derby de domingo, com ou sem sotaque, é preciso marcar.

"Espero muita marcação. Você não pode dar espaço para ninguém, essa é a característica do futebol de hoje. Se você deixar o jogador brasileiro, dominar, levantar a cabeça e pensar, ele vai fazer alguma coisa boa. Mas também espero que as equipes joguem. Temos que oferecer um bom jogo para o torcedor, e esse é o caminho natural para a construção de uma vitória", concluiu Mano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.