Tamanho do texto

James Rodriguez, Luis Suárez e outros atletas que chamaram a atenção durante a competição tiveram uma valorização que nem mesmo especialistas em finanças do futebol imaginavam

James Rodriguez: artilheiro da Copa foi para o Real Madrid por 84 milhões de euros
Getty Images
James Rodriguez: artilheiro da Copa foi para o Real Madrid por 84 milhões de euros

Os protagonistas da Copa do Mundo se valorizaram mais do que o previsto em projeções financeiras. Os jogadores que mudaram de time após brilhar no Mundial foram negociados por valores muito superiores ao de suas transações anteriores, superando cálculos hipotéticos feito por especialistas com base no desempenho no Brasil.

O principal caso é o do artilheiro da Copa do Mundo, o colombiano James Rodriguez, apresentado pelo Real Madrid nesta terça-feira. Para tirá-lo do Monaco, o clube espanhol pagou 84 milhões de euros (cerca de R$ 256 milhões), de acordo com o site  Transfermarkt , especializado em finanças do futebol. Há um ano, o time francês havia pagado por ele 47 milhões de euros (R$ 143 milhões) ao Porto.

A Pluri Consultoria , especializada em negócios do futebol, previa uma valorização de 44% para James após a Copa do Mundo, a maior entre todos os jogadores que vieram ao Brasil. O cálculo, agora, mostra-se modesto. A venda dele ao Real Madrid, na verdade, representa uma variação real de 78,7%.

Veja as principais movimentações do mercado de transferências europeu:

O maior rival do Real Madrid também se reforçou com jogadores que se destacaram na Copa do Mundo. O principal deles é o uruguaio Luis Suárez, um dos principais personagens da Copa, apesar de ter entrado em campo apenas duas vezes. Na estreia ante a Costa Rica, ficou no banco porque se recuperava de uma cirurgia no joelho. Estreou contra a Inglaterra, com dois gols na vitória por 2 a 1, depois passou em branco no triunfo por 1 a 0 diante da Itália.

Luis Suárez chegou ao Liverpool em 2011 por um terço do valor pago pelo Barcelona
Paul Gilham/Getty Images
Luis Suárez chegou ao Liverpool em 2011 por um terço do valor pago pelo Barcelona

Naquele jogo, foi o responsável por uma das cenas mais marcantes do Mundial ao morder o ombro do zagueiro Chiellini. A ação resultou em uma punição severa da Fifa, que o baniu do futebol por quatro meses. Por isso, Suárez não só encerrou ali sua participação como entrou na lista de atletas desvalorizados com a Copa, avaliado pela Pluri em 56,5 milhões de euros (R$ 172 milhões).

A mordida, porém, não entrou na conta do Barcelona, que pagou 85 milhões de euros (R$ 259 milhões) ao Liverpool para contar com os serviços do atacante. Em janeiro de 2011, o clube inglês havia pagado quase um terço disso para tirar o uruguaio do Ajax: 27,8 milhões de euros (R$ 84,71 milhões).

Capitão da seleção chilena, o goleiro Claudio Bravo também se transferiu para o Barcelona, num negócio de 12,5 milhões de euros (R$ 38 milhões). O valor é mais de dez vezes superior ao que foi pago pela Real Sociedad, seu clube anterior, em 2006, quando o comprou do Colo-Colo por 1,2 milhões de euros (R$ 3,7 milhões).

Outra novidade no meio-campo do Real Madrid para a próxima temporada é o alemão Toni Kroos, contratado do Bayern de Munique por 31,5 milhões de euros (R$ 96 milhões). Kroos estava no clube alemão desde 2006, quando tinha 16 anos e ainda não tinha se profissionalizado. Saiu da base do Hansa Rostock por 2,4 milhões de euros (R$ 7,3 milhões), 13 vezes a menos que o valor atual.

Tais transações acabam por influenciar no comportamento de clubes que ainda contam com outros personagens importantes da Copa, cada vez mais assediados. A Juventus, por exemplo, tem visto o meio-campista Paul Pogba despertar o interesse de outros clubes do continente. Eleito o melhor jogador jovem do Mundial, o francês chegou de graça em 2012 ao time italiano, que já anunciou não aceitar vendê-lo por menos de 75 milhões de euros (R$ 228,5 milhões).

    Leia tudo sobre: Bayern de Munique
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas