Tamanho do texto

Metrô e trem próximos ao estádio fecharam no horário normal, impossibilitando muitos torcedores de assistir ao jogo até o fim

Mário Gobbi, presidente do Corinthians, busca uma solução junto ao governador
Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians
Mário Gobbi, presidente do Corinthians, busca uma solução junto ao governador

O presidente do Corinthians , Mario Gobbi, vai se encontrar com o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, na tarde desta quinta-feira. O objetivo da reunião é buscar uma solução para os problemas de deslocamento enfrentados pelos torcedores no retorno da Arena Corinthians na última quarta-feira, no duelo com o Bahia pela Copa do Brasil .

A partida começou às 22h e foi marcada pela insatisfação de torcedores que utilizaram trem e metrô para voltar do Itaquerão. Grande parte do público precisou abandonar as arquibancadas antes do apito final para conseguir voltar para casa. Alguns torcedores que optaram por ficar até o fim encontraram os portões do metrô fechados e precisaram encontrar alternativas para ir embora.

Apesar de as estações Itaquera e Artur Alvim, que ficam a cerca de 15 minutos do estádio, fecharem às 00h19 e 00h21, respectivamente, muitas pessoas precisam fazer baldeação para outras linhas e, segundo o regulamento do metrô, isso só pode ser feito por passageiros que embarcaram até 00h. Outro problema foi a grande fila formada por centenas de corintianos para passar a catraca.

E mais:  Torcedores do Corinthians encontram os portões do metrô fechados após jogo

Mario Gobbi entrou em contato com o gabinete do governador e foi prontamente atendido pelo Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo, Júlio Semeghini, que se mostrou disposto a resolver a questão. Gobbi e Alckmin vão se reunir nas próximas horas, juntamente com Semeghini e Jurandir Fernandes, Secretário dos Transportes Metropolitanos.

A expectativa é que a questão seja resolvida já para a próxima partida do Corinthians na Arena no referido horário. Mas é bom lembrar que nada disso seria necessário se a detentora dos direitos de transmissão colocasse o jogo pelo menos 15 minutos mais cedo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas