Tamanho do texto

Goleiro palmeirense se recupera de uma lesão no cotovelo direito e não vê a hora de poder retornar aos gramados

Fernando Prass precisa recuperar massa muscular na parte superior do corpo
Djalma Vassão/Gazeta Press
Fernando Prass precisa recuperar massa muscular na parte superior do corpo

Fernando Prass foi um dos melhores jogadores do Palmeiras ao longo do primeiro semestre da temporada, mas uma lesão no cotovelo direito na derrota para o Flamengo, por 4 a 2, no dia 4 de maio, ainda pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro , o afastou dos gramados. Com previsão de volta para o final de agosto, o goleiro, em entrevista à TV Palmeiras, não esconde sua ansiedade.

"São dois meses e meio sem poder usar o braço, apesar de fazer a parte física, que envolve corrida e musculação para os membros inferiores, na parte superior eu perdi muita massa. Vou ter que recuperar isso e espero que o médico me libere o quanto antes para a próxima etapa", projetou o goleiro, que explicou como vem sendo o seu tratamento nas últimas semanas.

"Devo ter uma consulta em breve para ver se passo para o reforço muscular, último estágio para voltar a trabalhar com bola. Está dentro do esperado, pois é uma lesão que tem que ter um cuidado a mais por causa da minha posição. Se fosse jogador de linha já estaria em um estágio mais avançado, mas está correndo tudo dentro do planejado", esclareceu o palmeirense.

Neste tempo afastado dos gramados, Fernando Prass tentou não se desanimar, mesmo sabendo que precisaria de alguns meses para voltar a defender o Palmeiras. O goleiro ainda viu a ascensão de um concorrente. Com boas atuações, o arqueiro Fábio, revelado nas categorias de base do time do Palestra Itália, ganhou a titularidade e promete uma briga sadia com o companheiro que retorna de lesão.

"Eu gostaria de voltar amanhã. Há momentos em que dou uma desanimada por causa do tempo parado, mas uma das coisas que aprendi é que nunca podemos desanimar. Problemas nós sempre teremos, mas sempre pensamos que os nossos são os piores. Quando vejo os problemas de outros lá fora, percebo que há coisas muito piores. Tento usar isso como motivação", concluiu Fernando Prass.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.