Tamanho do texto

"Eles (dirigentes da Uefa) recomendaram que os jogadores voltem o mais breve possível", afirmou Sergei Palkin

A situação tensa na Ucrânia, agravada no final da última semana pela queda de um avião comercial em Grabovo, região de Donetsk, mobilizou um grupo de jogadores sul-americanos a não retornar ao país do leste europeu. Nesta terça-feira, Sergei Palkin, CEO do Shakhtar Donetsk, disse que a Uefa, consultada pelo clube, recomendou o retorno dos jogadores à Ucrânia.

"Eles (dirigentes da Uefa) recomendaram que os jogadores voltem o mais breve possível. Nós vamos enviar esses documentos para os jogadores e também para seus agentes. A segurança dos atletas é prioridade", afirmou Palkin.

O dirigente do Shakhtar ainda citou uma lista de cidades "seguras", feita pela Uefa, para tentar convencer os jogadores a retornar. "Nós temos uma lista oficial das cidades que, na visão da Uefa, podem garantir a segurança de todos. Essas cidades estão aptas a receber jogos da Liga dos Campeões e da Liga Europa. São elas: Kiev, Lviv, Dnipropetrovsk e Odessa", disse.

Entre os jogadores que recusaram voltar à Ucrânia estão cinco brasileiros, todos do Shakhtar: Alex Teixeira, Fred, Douglas Costa, Ismaily e Dentinho. Além deles, os argentinos Facundo Ferreira (Shakhtar), José Sosa, Alejando Gómez e Jonathan Cristaldo (Metalist) também não regressaram ao país, que está em crise desde novembro de 2011, quando o então presidente do país, Viktor Yanukovich, desistiu de assinar um acordo de livre-comércio com a União Europeia e estreitou os laços com a Rússia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.