Tamanho do texto

''Os times brasileiros estão na pindaíba", disse o goleiro, que também lamentou a diferença entre o público presente na Copa e nos campeonatos disputados no país

Rogério Ceni, goleiro do São Paulo
Djalma Vassão/Gazeta Press
Rogério Ceni, goleiro do São Paulo

O goleiro Rogério Ceni deu sua opinião sobre a campanha vexatória da seleção brasileira na Copa do Mundo. Um dos integrantes do Bom Senso FC, o capitão do São Paulo , que venceu o Bahia na retomada do Campeonato Brasileiro , cobrou mudanças na Confederação Brasileira de Futebol e um envolvimento até do Governo Federal.

"Não vi um jogo pessoalmente na Copa, mas vi que os gramados estavam bons e que o torcedor compareceu. Pena não ter nem de perto o público da Copa (no Brasileirão). Claro que era a melhor peça possível, mas aqui também não se oferece nada. A CBF é rica, mas nada tem sido feito para as equipes. A CBF deveria trabalhar em prol dos clubes, porque estão na pindaíba", reclamou.

Confira como está a classificação do Campeonato Brasileiro

O discurso de cobranças foi adotado pelo goleiro antes mesmo do Mundial. Agora, o são-paulino espera também alguma atitude da presidente da República, Dilma Rousseff, por uma melhoria do esporte.

"O Brasil deveria ter pessoas que entendem mais de futebol no comando maior, precisa oxigenar todos os setores. Não é questão de trocar o treinador ou culpar um ou outro. Nesta época de eleição, quem sabe nossa presidenta também se mexe um pouco", acrescentou, lembrando que haverá disputa nas urnas do país em outubro.

Presente nas Copas do Mundo de 2002 e 2006, Ceni reconhece que a Alemanha é superior ao Brasil, mas entende que a goleada por 7 a 1, na semifinal, foi um placar exagerado.

"Lamentamos o resultado, foi uma derrota inesperada. Eu acho a Alemanha superior, mas não com uma diferença desse tamanho. Os gols foram acontecendo e o time acabou se perdendo, terminando com uma derrota marcante. As mudanças têm de vir de cima para baixo. Aqui tem isso de quem está no poder se perpetuar. Acho que foi justiça para o futebol o título da Alemanha, que investe mais", concluiu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.