Tamanho do texto

Jogador volta ao time da capital paulista depois de 11 anos e recebeu a camisa 8 das mãos de Rogério Ceni e Luis Fabiano

Kaká veste a camisa do São Paulo diante da torcida no Morumbi
Reginaldo Castro/Gazeta Press
Kaká veste a camisa do São Paulo diante da torcida no Morumbi

Kaká está de volta ao São Paulo . O meia, que já havia feito treinos físicos no Reffis e também já tinha participado  de trabalhos no gramado durante a semana, foi apresentado oficialmente para a torcida na manhã deste domingo no estádio do Morumbi. 

Leia mais: Atuando pelo PSG, Lucas exalta retorno de Kaká ao São Paulo

Ele subiu em um palco montado no gramado após o chamado do presidente do time Carlos Miguel Aidar. "Kaká, venha que a casa é sua", disse o dirigente. 

O meia recebeu a camisa 8 das mãos de Rogério Ceni e Luis Fabiano. "Estou muito feliz e não vejo a hora de começar a jogar. Meus filhos também estão ansiosos. O Luca não vê a hora que eu comece a jogar", falou Kaká. "É emocionante voltar 11 anos depois ao clube que me formou, onde joguei desde os oito anos de idade. Vejo aqui meus familiares e amigos, e é um dia muito especial para mim. O São Paulo me lançou ao futebol mundial, estou de volta para essa torcida maravilhosa e em um dia memorável na minha carreira", comentou. 

A torcida fez festa e entoou o grito "Ô, Kaká voltou". A estimativa era de cerca de 30 mil são-paulinos no Morumbi para receber o ídolo nesta manhã. Os torcedores lotaram o gramado e parte das arquibancadas do estádio. 


O jogador falou ainda sobre a expectativa de voltar a defender o São Paulo. "Não vejo a hora de jogar. Não sei quando vai ser, mas sei que vai ser o mais rápido possivel", finalizou. O São Paulo volta a atuar pelo Campeonato Brasileiro no dia 16 de julho, diante do Bahia, na Arena Fonte Nova. 

Kaká chega ao time por um empréstimo de seis meses. O meia deixou o Milan e assinou com o Orlando City, dos Estados Unidos. Entretanto, como a equipe americana joga na Major League Soccer apenas a partir de março de 2013, o jogador foi emprestado ao São Paulo. 

Críticas do passado e mudança de postura em campo

Depois do primeiro contato com a torcida em seu retorno, Kaká participou de uma coletiva de imprensa em que disse se lembrar das críticas que recebeu dos são-paulinos no fim de sua primeira passagem. E o jogador acredita ter superado a desconfiança.

"De alguma forma, tudo concorre para o bem. Na minha saída do São Paulo, estava sendo criticado por parte da torcida, não por todos, e isso me fez aprender, crescer e amadurecer. Essa demonstração de hoje (domingo) é um incentivo para mim, porque vi que eles também queriam minha volta. Eu poderia ter escolhido outras oportunidades, mas este é meu desejo. De certa forma, todo mundo ficou feliz e espero que seja um período maravilhoso para todos nós", comentou.

O meia também diz estar preparado para suportar a pressão e as expectativas, mas avisa que não pode prometer títulos. "Meu vínculo com o São Paulo vai muito além do campo. É o clube em que fui formado, tenho uma ligação institucional. Cheguei ao topo do futebol mundial e, para mim, é muito bom falar que fui formado aqui. Claro que faltaram Brasileiro, Libertadores e Mundial... O torcedor pode cobrar empenho, dedicação e profissionalismo, mas vamos ver os resultados. Gostaria muito de ser campeão brasileiro, mas sei que tenho um vínculo com o São Paulo para sempre", acrescentou.

O jogador ainda fez uma comparação de sua postura em campo entre a primeira passagem pelo time e a atual. "Estou mais maduro e experiente em campo, pois consigo ter uma visão de jogo melhor do que tinha quando era mais novo. Quando era moleque, eu ia mais no impulso e no improviso, o que era muito legal também, mas hoje estou mais experiente e tenho mais sabedoria para escolher as jogadas", acrescentou.

Carreira no Tricolor e na Europa

Formado nas categorias de base do próprio São Paulo, Kaká estreou pela equipe profissional em 1º de fevereiro de 2001, no empate por 1 a 1 contra o Botafogo, pelo Torneio Rio-São Paulo. Na própria competição, o meia foi o destaque sobre o mesmo adversário na segunda partida da decisão, marcando dois gols e conquistando seu único título pelo clube.

No ano seguinte, Kaká foi levado por Luiz Felipe Scolari para a Copa do Mundo, já com grande expectativa da torcida tricolor. Porém, a falta de novos títulos fez aumentar a pressão sobre o atleta, que despertava ainda o interesse do exterior. As perdas do Paulistão e da Copa do Brasil de 2003 fizeram a torcida se irritar ainda mais com o time, chamado de "amarelão" pelos rivais.

Em 9 de agosto de 2003, na vitória por 3 a 1 sobre o Juventude, Kaká disputou seu último jogo pelo São Paulo, negociado com o Milan, equipe em que viveu o auge de sua carreira, com títulos e também o prêmio de melhor jogador do mundo, em 2007.

O meia só deixou o futebol italiano quando se transferiu para o Real Madrid, em 2009. Sem repetir o sucesso que teve no clube anterior, Kaká retornou ao Milan em 2013, até que se despediu agora para assinar com o Orlando City, dos Estados Unidos, e ser emprestado até dezembro ao São Paulo.

*com Gazeta Esportiva

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.