Tamanho do texto

Treinador espanhol, que costuma fazer uso do ''falso 9'' em seus times e vem sacrificando o centroavante Mandzukic, terá mais um jogador de alto nível em posição que pretere

Pep Guardiola, técnico do Bayern de Munique
Matthias Schrader/AP
Pep Guardiola, técnico do Bayern de Munique

Um dos atacantes mais cobiçados do mundo, o polonês Robert Lewandowski reforçará o Bayern de Munique na próxima temporada e sua chegada pode resultar na saída de Mario Mandzukic, atual centroavante bávaro que não tem lá muito prestígio com o técnico Pep Guardiola. A predileção do treinador por ataques mais "flexíveis" faz o croata perder espaço no elenco e, assim, o Bayern terá dois centroavantes de nível mundial, que serão comandados por um técnico com predisposição a não usar atletas desta posição.

Tendo conquistado o mundo duas vezes sem um centroavante em sua equipe titular, o técnico criou a função de "falso 9" no Barcelona, onde Lionel Messi atuava como atacante mais avançado, mas também voltava à intermediária para criar jogadas entre os volantes e zagueiros adversários. Atualmente dirigindo o atual campeão alemão, Guardiola refuta, com frequência, em usar Mandzukic no comando de ataque, optando por um futebol flexível, sem centroavante.

O espanhol prefere tirar o croata do ataque sempre que pode, substituindo-o muitas vezes por Thomas Muller, responsável por fazer papel que era de Messi no clube catalão. Como Mandzukic seguiu marcando gols e tendo boas atuações, o treinador se viu obrigado a mantê-lo na equipe e agora terá dois centroavantes de nível mundial no elenco, apesar de não mostrar empolgação com atletas da posição. A flexibilidade do sistema ofensivo bávaro, contudo, permite que Guardiola aposte em outros atletas sem que o ataque perca qualidade.

Mesmo sendo um dos quatro jogadores do Bayern que atuaram em todas as partidas no Campeonato Alemão, e ainda ter terminado a competição na briga pela artilharia da competiçao, com a chegada de outro centroavante Mandzukic deve perder espaço se permanecer no clube.

O jogador já foi especulado em outros grandes clubes europeus e, embora Guardiola negue a transferência e ressalte a importância do atleta, a imprensa alemã acredita que Manchester United e Arsenal devem investir pesado para contar com o jogador.

Então por que contratar Lewandowski ao invés de dar mais oportunidades a Mandzukic?

Porque a contratação não custará nada aos cofres bávaros e, mais importante, porque os números do polonês são ligeiramente melhores. Se nesta temporada, o atual centroavante do Bayern de Munique marcou dez gols em dezesseis partidas do torneio nacional, sendo que finalizou 21 vezes tendo errado o gol em 36% delas, Lewandowski é o artilheiro do Alemão com 11 gols marcados em 17 jogos. O atacante do Borussia atuou em muito mais minutos do que Mandzukic no campeonato, mas, se compararmos os números, a diferença é palpável. São 56 finalizações no torneio, com 68% de acerto ao gol.

Além disso, o polonês deu quatro assistências e criou mais 20 chances dando passes-chave, ante 16 chances de gol produzidas por Mandzukic. Lewandowski ainda tem aproveitamento de passes ligeiramente melhor que o futuro companheiro, tendo acertado 73% dos toques, e balançou as redes quatro vezes nesta edição da Liga dos Campeões, contra duas do croata.

No geral, portanto, Lewandowski tem mais gols, acerta o gol com mais frequência, acerta e tem melhor aproveitamento nos passes, além de criar mais chances. Há de se levar em consideração que o polonês é o homem mais acionado do Borussia Dortmund, enquanto o croata joga 2/3 do tempo que o Bayern fica em campo, mas melhor média de finalizações e passes depende pouco da equipe em que se atua.

Levando em consideração que Borussia Dortmund e Bayern de Munique têm jogadores de qualidade parecida - a maioria atua no mais alto nível e teria espaço em todas as equipes do mundo -, os números de Lewandowski são ligeiramente melhores que o de Mandzukic. O que chama mais atenção nessa negociação é o fato de que um clube tenha dois centroavantes deste nível sendo que a filosofia do treinador prega a não utilização de atletas da posição.

*Com Gazeta

    Leia tudo sobre: bayern de munique
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.