Tamanho do texto

Time deve usar parte dos RS 10 milhões obtidos em empréstimo junto ao Complexo Maracanã Entretenimento S.A para quitar dívidas com seus trabalhadores

Assim como outros clubes do futebol brasileiro, o Flamengo vem sofrendo com o atraso salarial de parte dos jogadores. O caso vem sendo tratado internamente e não chega a atingir todo o elenco. Porém, funcionários da sede da Gávea também enfrentam o mesmo problema. No instável contexto, o presidente Eduardo Bandeira de Mello vem trabalhando no sentido de normalizar o problema até esta sexta-feira, contando com estratégias para isso.

Confira classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias do Campeonato Brasileiro

Em um primeiro momento, o clube pretendia usar recentes correntes para poder quitar esses vencimentos. Porém, sem o Flamengo jogar, por causa do recesso do Campeonato Brasileiro para a disputa da Copa do Brasil, não há faturamento com bilheteria. Além disso, a perspectiva de amistosos no período também não se concretizaram, muito por conta do péssimo desempenho da equipe, atualmente na penúltima posição da Série A.

Ciente de que o problema pode se tornar grave se não for solucionado rapidamente, uma vez que alguns jogadores demonstram certa insatisfação, a diretoria deverá usar parte dos cerca de R$ 10 milhões obtidos em empréstimo junto ao Complexo Maracanã Entretenimento S.A. O dinheiro seria destinado integralmente para a contratação de reforços.

Se utilizar realmente este dinheiro a diretoria conseguirá deixar em dia o salário dos jogadores e funcionários, acabando com qualquer foco de conflito. O diretor executivo do departamento de futebol, Felipe Ximenes, tem evitado dar declarações sobre o tema e, quando perguntado, como na entrevista coletiva de segunda-feira, diz que os compromissos com os jogadores serão honrados. Ele, inclusive, defende junto a Eduardo Bandeira de Mello a necessidade de o plantel estar recebendo em dia para poder ser cobrado por resultados.

O grande problema de se "desviar" o dinheiro do empréstimo para pagar salários é que vai faltar em caixa para a contratação de reforços, algo tratado como prioridade pelo técnico Ney Franco e pelos próprios dirigentes, cobrados diariamente sobre o tema. O período de recesso está chegando na metade e nenhum nome foi anunciado. Portanto, o objetivo de se ter o elenco próprio para o período de treinos em Atibaia-SP não aconteceu e na próxima segunda-feira os jogadores retornam ao Rio de Janeiro.

Dentre os nomes que estão sendo ventilados, os dois mais próximos de acertar viriam da Argentina. O primeiro deles é o lateral-esquerdo Milton Casco, que vem se destacando pelo Newell’s Old Boys. Outro é o volante Héctor Canteros, do Vélez Sarsfield. O atacante Eduardo da Silva, brasileiro naturalizado croata, também vem negociando, mas o Rubro-Negro despista o fato para não atrapalhar o jogador, que vem defendendo a Croácia na Copa do Mundo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.