Tamanho do texto

Santos não poderá jogar na Vila Belmiro e, por isso, terá de enfrentar uma sequência de três partidas longe do litoral

Oswaldo de Oliveira não está contente com a maratona que o Santos fará
Ivan Storti/Divulgação Santos FC
Oswaldo de Oliveira não está contente com a maratona que o Santos fará

A partida deste domingo, contra o Atlético-MG, dá início a uma maratona de viagens que o Santos fará devido, principalmente, ao fato de não poder atuar na Vila Belmiro. Como o estádio já foi entregue a Fifa nesta sexta-feira para ficar à disposição da seleção da Costa Rica durante o período de treinos para a Copa do Mundo , a equipe mandará três jogos do Campeonato Brasileiro longe do Urbano Caldeira.

"Nós tentamos inclusive jogar esse próximo (contra o Atlético-MG) aqui na Vila, mas não conseguimos. Tem questões que elas passam do limite técnico e eu aqui tenho que aceitar determinações. Do meu ponto de vista, o jogo teria que ser jogado aqui", falou Oswaldo.

Além do duelo contra o Galo, na Arena Pantanal, em Cuiabá, neste domingo, o Santos exercerá seu mando de jogo contra o Flamengo no Morumbi, e contra o Criciúma, em São Bernardo do Campo, no estádio 1º de Maio. Em meio a estes jogos, o alvinegro jogará contra o Goiás, no Serra Dourada, e contra o Bahia, em Feira de Santana, já que a Fonte Nova também estará à disposição da Fifa.

"Na Arena Pantanal o campo de jogo é bom, o problema é viajar para lá. Essa logística exige muito da equipe. E depois jogar em Goiânia, depois no Morumbi, depois em Feira de Santana, depois em São Bernardo. Isso é destrutivo, o campeonato perde muito, não há uma medida técnica para cada equipe, são detalhes que têm que ser levados em consideração. Jogando como nós vamos jogar é irresistível nós permanecemos em alto nível", reclamou o treinador, que já vem promovendo um rodízio entre os jogadores para se prevenir de lesões no elenco.

Mesmo assim, alguns jogadores como Alan Santos, Emerson, Arouca e Cícero não aguentaram a sequência do time no último mês, quando o Santos jogou em Cuiabá, na Vila, em Manaus, e em Londrina.

"Vou te dar um certificado de guia turístico", ironizou Oswaldo, antes de completar. "Jogando seguidamente, com tantas viagens (é complicado). Se fosse algo mais equilibrado, não seria tão danoso, não. O problema é mais a viagem do que o jogo em si".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.