Tamanho do texto

Marcelo Moreno ficou muito irritado com a expulsão e disse que o árbitro Heber Roberto Lopes prejudicou diretamente no resultado da partida

Jogadores do Cruzeiro reclamaram após a virada sofrida para o Atlético-MG. Moreno foi expulso no fim
Divulgação
Jogadores do Cruzeiro reclamaram após a virada sofrida para o Atlético-MG. Moreno foi expulso no fim

Os jogadores do Cruzeiro reclamaram muito da atuação do árbitro Heber Roberto Lopes no clássico deste domingo, no Independência. Na avaliação do atacante boliviano Marcelo Moreno a equipe foi prejudicada com um pênalti, que segundo ele, não teria existido, o que motivou reclamações e um cartão vermelho para o atleta após o fim do jogo.

Leia também : De virada, Atlético-MG supera os reservas do Cruzeiro e vence a primeira

"Quero ver o que o árbitro vai colocar na súmula. Falei apenas que foi injusto, a expulsão do Luan e o pênalti, que não existiu. Falei normal. Ele me expulsou após o jogo. Vou esperar para ver o que ele vai colocar na súmula. Atrapalhou a nossa liderança no campeonato. Poderíamos ter saído daqui com o resultado melhor", declarou.

O lateral-direito Mayke foi mais comedido na hora de comentar sobre a arbitragem, mas afirmou que os lances que teriam beneficiado o Atlético-MG foram no mínimo duvidosos. O jogador avalia que o Cruzeiro estava bem no jogo, mas teve a missão dificultada pela expulsão de Luan. Mayke, porém, já pensa no duelo contra o San Lorenzo pela Libertadores.

"Nossa equipe estava bem na partida, o árbitro deu um pênalti que não sei se foi, mas estávamos conseguindo jogar, aí um foi expulso e nosso time teve um pouco de dificuldades. Fizemos um jogo bom, poderíamos ter vencido, mas agora e concentrar forças na Libertadores para revertermos a vantagem do San Lorenzo", comentou.

Marcelo Oliveira também reclama da arbitragem

O técnico Marcelo Oliveira entende que o cruzeiro conseguiu fazer um bom jogo contra o Atlético-MG, mesmo usando uma equipe alternativa. O treinador avalia que o volume de jogo maior do Galo no início da partida era algo esperado, mas que a Raposa soube controlar bem, atuando de igual para igual para rival.

"Estávamos prevendo uma pressão do adversário como eles sempre fazem aqui, e nós fazemos no Mineirão. Passamos pelos 15 minutos iniciais com algumas bolas cruzadas para a área, com eles trabalhando mais no nosso campo, mas depois estabilizou e o Cruzeiro começou a jogar a também. Um jogo absolutamente controlado em relação a nossa equipe que não vem jogando, uma equipe alternativa", analisou.

Na visão de Marcelo Oliveira, o que teria atrapalhado o Cruzeiro foi a atuação do árbitro Heber Roberto Lopes, que teria deixado de marcar um pênalti para os celestes e marcou uma penalidade duvidosa em favor do Atlético-MG. Um impedimento confirmado em lance que Alisson ficaria na cara de Victor também foi alvo de críticas do comandante cruzeirense.

"Teve o pênalti claríssimo, erro clamoroso. Otamendi deu de carrinho e tocou com a mão. E o erro da bandeira, no impedimento, pelo menos dois metros à frente, isso é um absurdo. Tivemos um erro contra o Bahia, um erro contra o São Paulo, falta invertida, está ficando difícil, tem que tomar providência. Tem erros discutíveis, mas esse tipo de erro atrapalha muito o trabalho que vem sendo feito", disparou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.