Tamanho do texto

"Sou um cara que prefere jogar para o time. Sou batalhador e procuro cumprir o que é passado da melhor maneira", disse

Petros já havia demonstrado personalidade em sua apresentação oficial no Corinthians e voltou a mostrar essa qualidade na estreia. Depois de jogar um bom futebol no empate com o Atlético-MG, o atleta de 24 anos aprovou o próprio desempenho evitando deslumbramentos.

O meia Petros, do Corinthians
Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians
O meia Petros, do Corinthians

Desconhecido da maioria até chegar ao clube do Parque São Jorge, o meia falou com orgulho do próprio toque de bola. Ele não se colocou, no entanto, no nível do concorrente Renato Augusto, que chamou de gênio, ou do são-paulino Ganso, autoproclamado "acima da média".

Em busca de vaga de titular no Corinthians, Petros chama concorrente de gênio

"O Ganso é um craque. Estou longe de ser um craque. Sou um cara que prefere jogar para o time. Sou batalhador e procuro cumprir o que é passado da melhor maneira. Procuro atacar e marcar e tenho um passe muito bom. É o meu diferencial", afirmou Petros.

De acordo com o jogador, é preciso "estar ciente da própria condição". Por isso, ele valoriza suas qualidades sem esconder os defeitos. "Tenho confiança. Não posso falar que sou um artilheiro, porque não sou, mas posso falar o que tenho de bom, que é o passe."O início satisfatório no Corinthians já alterou a rotina de Petros, que não consegue ir ao banco ou à padaria sem ser reconhecido por torcedores. Recém-chegado do Penapolense, o meia assegurou estar preparado para lidar com essa mudança sem perder a concentração.

"Quem me conhece sabe que eu sou tranquilo, tenho a cabeça no lugar. A repercussão aqui é grande, e o mais importante é que eu mantenha a humildade que me trouxe aqui. É claro que temos a maior torcida que existe no país, você sai à rua e não consegue comer, mas é gratificante e não posso deixar que isso me afete", concluiu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.